Por Marina Sequinel e Daniela Sevieri

onibus

Greve em Curitiba foi descartada. (Foto: Jaelson Lucas/SMCS)

A greve no transporte coletivo de Curitiba foi descartada na noite desta quarta-feira (30), após a confirmação de que todas as empresas da capital paranaense pagaram o 13º salário dos motoristas e cobradores. Segundo informações do Sindimoc, sindicato que representa a categoria, apenas a Araucária Matriz ainda não depositou  o dinheiro e, por isso, em assembleia realizada na madrugada desta quinta-feira (1º), a greve foi confirmada na empresa. A empresa diz que pagou apenas 25% do 13º, enquanto deveria ter depositado 50%, como manda a lei. Porém, o Sindimoc informa que nenhum valor apareceu na conta dos trabalhadores até o início da manhã desta quinta.

A ação paralisou os ônibus de 33 linhas urbanas e rurais do município, que possuem 250 trabalhadores. Todas as linhas fazem ligação com Curitiba e outros municípios. As linhas internas da cidade, feita pela empresa Tindiquera, não foram afetadas pela paralisação.

Estas é a segunda paralisação que a cidade de Araucária enfrenta em menos de dois meses. Em outubro, o atraso no pagamento dos vales salariais levou os funcionários da empresa Tindiquera a cruzarem os braços.

“Nós tentamos conversar com os responsáveis para evitar que isso acontecesse, o que, infelizmente, não foi possível”, disse Anderson Teixeira, presidente do Sindimoc, em entrevista à Banda B.

A lista completa das linhas atendidas pela Araucária Matriz está disponível aqui.

Novas paralisações

O Sindimoc não descarta greve nos próximos dias já que existe a dúvida se as empresas vão depositar o salário de novembro, a ser pago no quinto dia útil de dezembro, além da segunda parcela do 13º salário e também o vale do dia 20. “Poderemos parar sim caso os direitos dos trabalhadores não sejam respeitados”.

As empresas alegam prejuízo e pedem novos repasses da prefeitura de Curitiba. A prefeitura, por sua vez, alega que todos os pagamentos estão em dia conforme previsto em contrato.