Um dos trechos das gravações telefônicas usadas no inquérito da médica Virgínia Soares de Souza, presa desde o dia 19 de fevereiro, em Curitiba, mostra que ela se emociona após a morte de uma criança. As gravações, que totalizam mais de 30 horas feitas entre os dias 23 de janeiro e 7 de fevereiro de 2013. As informações são da RPC TV e foram divulgadas no Portal G1.

A médica é suspeita de induzir mortes na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Evangélico, na capital. Segundo a polícia, Virgínia nega as acusações.

Trechos de conversas da médica com outros funcionários foram mostradas no telejornal Paraná TV 2ª edição.

No dia 7 de fevereiro, em conversa com uma funcionária do hospital, Virgínia demonstra preocupação com uma paciente.

Virgínia: “Eu consegui chorar agora”

Funcionária: “Aquela hora que você me ligou eu já vi que você não tava…eu falei alguma coisa…”

Virgínia: “A menina”

Para a defesa, Virgínia é acusada por parte de um erro de interpretação das gravações pela Polícia Civil: “Isto é gravíssimo”, diz o advogado de Elias Mattar Assad.