Por Felipe Ribeiro

Com a aproximação do fim de ano, é comum que empresas passem a organizar aquele esperado jantar de confraternização onde os amigos secretos costumam ser revelados, mas a crise de 2015 já começa a ameaçar a tradição realizada em bares e restaurantes. É o que aponta levantamento da Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) com empresários do setor, que aponta uma redução de até 50% nas reservas, uma vez que as empresas podem optar por levar os funcionários para locais mais baratos.

festa-fim-de-ano

Foto: Divulgação

Segundo o presidente da Abrabar, Fabio Aguayo, o que mais preocupa o setor é a redução nas consultas de preços, uma vez que elas não possuem custo. “Quando chegamos a esse patamar, percebemos que não será um período bom para todos que dependem desse extra das festas e confraternizações”, disse.

Tradicionalmente, segundo a Abrabar, os locais de Curitiba mais procurados para os eventos são os grandes polos gastronômicos da capital, como o Largo da Ordem, a Avenida Batel, a Rua Itupava e Santa Felicidade, mas até nesses locais a procura está reduzida. “É comum que esse pedido ser feito com antecedência devido a agenda e uma exclusividade procurada. Essa é uma parte significativa do setor e pode ser difícil de enfrentar”, comentou o presidente da Abrabar.

Para incentivar a retomada aos bares e restaurantes, a associação incentiva os estabelecimentos a criarem pacotes diferenciados aos interessados para não perderem a tradição de eventos no setor, que gera emprego e renda extra aos estabelecimentos.

Perspectiva para 2016.

Por fim, Aguayo falou um pouco sobre as perspectivas para 2016 no setor e disse acreditar em mais um ano de dificuldade. “Infelizmente deixamos de gerar emprego e muitos empresários tiveram que demitir esperando esse final de ano que aparentemente não será como o esperado. Sabemos que até 2017 a economia seguirá cambaleando e o nosso setor está no enfoque de tentar se sustentar, mas esperamos que uma reação aconteça principalmente pelo não aumento de impostos”, conclui.