Da Redação

O desaparecimento do policial militar Rodrigo Federizzi, de 32 anos, completa 10 dias neste domingo (7). Por telefone, a família confirmou à Banda B que ainda não há nenhuma pista sobre o paradeiro do soldado, mas preferiu não gravar entrevista sobre o caso.

policial-militar-rodrigo

(Foto: Arquivo pessoal)

O PM saiu de casa no dia 28 de julho às 10h30 e não voltou mais. Na ocasião, ele disse para a esposa que ‘resolveria uma questão’ junto com um colega, que ainda não foi identificado. “O Rodrigo me disse que a gente conversaria quando ele voltasse e que provavelmente passaria a noite fora. Ele me deu um beijo e saiu”, relatou ela em entrevista ao radialista Geovane Barreiro na segunda-feira passada (1º).

Ellen Federizzi acredita que o desaparecido do marido pode estar relacionado a uma investigação que ele fazia, por conta própria, de um assalto que ela sofreu em maio deste ano. Na época, ela foi espancada e os bandidos tentaram violentá-la.

Segundo a esposa, Rodrigo não tinha o hábito de esconder o que fazia. Ela começou a suspeitar que algo estava errado porque, nos últimos dias antes do desaparecimento, ele parecia mais calado do que de costume.

Rodrigo e Ellen moram em um condomínio em Curitiba junto com o filho, de nove anos. Ele trabalha como policial militar desde 2008.

Notícia relacionada

http://www.bandab.com.br/jornalismo/pm-que-sumiu-ha-4-dias-investigava-por-conta-propria-assalto-esposa/