Um mapeamento inédito, que irá identificar residências onde há mais de dez cães ou gatos em Curitiba, está sendo feito pelo Departamento de Pesquisa e Conservação de Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Esta foi uma das ações discutidas no 2.° Fórum de Gestão Compartilhada na Proteção Animal de Curitiba, realizado na tarde da última terça-feira (2), no restaurante do Passeio Público. Esta medida vem depois da tragédia no Boqueirão, onde 43 cães morreram durante um incêndio em uma casa.

O objetivo é desenvolver um plano de ação estratégico para atuar em situações de risco, como incêndios, alagamentos ou mesmo em caso de morte do proprietário da casa. “Temos que saber onde há grandes concentrações de animais domésticos para que possamos nos preparar para eventuais resgates ou para atender outras situações de risco”, explica o diretor do departamento, Alexander Biondo.

Ele esclarece que não apenas os acumuladores de animais serão mapeados. “Este termo é restrito às pessoas que têm alguma espécie de transtorno e nem todos os donos de grande quantidade de animais fazem parte deste grupo”, conta.

O mapeamento já começou a ser feito. Segundo Biondo, a estimativa é de que existam em Curitiba entre 150 e 200 residências com mais de dez cães e gatos. Aproximadamente 15 teriam mais de 100 animais. “Chegaremos até elas por telefonemas feitos para o 156, informações repassadas pelas regionais e pelas instituições protetoras de animais”, informa.