A Estrada de Ferro Paraná Oeste (Ferroeste), depois de muito tempo, voltou a transportar óleo vegetal em seus trens. A operação, ainda em caráter experimental, contou com a parceria da Coopavel, cooperativa instalada no município de Cascavel, Oeste do Estado.

O contrato, fechado neste mês de fevereiro, segundo o presidente da companhia, João Vicente Bresolin, demonstra que a empresa pode retomar esse tipo de operação. Os volumes envolvidos, cerca de mil toneladas, serviram para testar os procedimentos ferroviários específicos para esse tipo de movimentação, já que há cinco anos a Ferroeste não fazia transporte de óleo vegetal.

“A ferrovia se portou bem, o terminal de Cascavel atendeu às expectativas”, disse Bresolin Araújo. “Foi uma experiência válida e o cliente ficou satisfeito”. Tanto é assim que já manifestou interesse em contratar mais volumes, ressaltou.

Segundo o dirigente, existe demanda para esse tipo de carga e, além da Coopavel, há clientes em potencial como a Copacol e a cooperativa Lar. O destino desse tipo de movimentação é o Porto de Paranaguá, onde existe um terminal especializado da Cattalini.

Para atender aos clientes interessados, a Ferroeste espera buscar uma parceria com a ALL, empresa ferroviária que faz o trecho Guarapuava-Paranaguá, para maior oferta de vagões-tanque, estabelecendo um novo fluxo de cargas na região Oeste.