O delegado Osmar Feijó, que está respondendo pela Delegacia de Quatro Barras durante o mês de janeiro, pediu à Justiça a prisão preventiva de Clair Mariso do Amaral, 42 anos, acusado de atear fogo em sua esposa Jéssica Aparecida Orchel Santana, 19 anos, após uma discussão na tarde do último sábado (19). “Ele continua preso no Complexo Médico Penal, em Piraquara, já que no sábado mesmo ele foi autuado pela tentativa de homicídio qualificado. Como no domingo a Jéssica acabou morrendo, solicitamos a preventiva dele por homicídio qualificado. A qualificação acontece por ter praticado o crime por motivo fútil e com o uso de fogo”, explicou o delegado.

Divulgação

Feijó contou que por volta das 13h50 de sábado, a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e o Siate foram chamados para atender um acidente com um veículo em chamas às margens da Estrada da Graciosa, em Quatro Barras. “Chegando lá eles encontraram realmente o carro em chamas e Amaral, que disse que teve uma discussão com a esposa e que ela teria avançado contra o volante. Ele disse que não teve como controlar o veículo, que saiu da pista, bateu e acabou explodindo. Essa história não convenceu”, disse o delegado.

Feijó explicou que, durante o atendimento, um socorrista conversou com Jéssica que lhe contou que havia sido Amaral que jogou gasolina nela e ateou fogo. “Ele foi levado ao hospital, depois trazido aqui na delegacia e nós o autuamos por tentativa de homicídio qualificado. Nas roupas de Jéssica foi constatado forte cheiro de gasolina, que comprovou a versão dela”, disse Feijó.

O delegado explicou que após a morte da jovem, na tarde do dia seguinte, ele decidiu por pedir a prisão preventiva de Amaral.