Da SMCS

As altas temperaturas registradas nesta época do ano reforçam a preocupação em relação às cavas existentes na cidade. A Defesa Civil de Curitiba alerta a população para que jamais entre nas águas.

nao-nadar-cavas-1701014-bandab

(Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

“Risco extremo de afogamento e condições impróprias para banho, pesca ou prática de esportes náuticos tornam as cavas locais a serem evitados pela população. Infelizmente, muitas vezes as pessoas ignoram as placas de alerta e sinalização e insistem em entrar nas águas”, afirma o coordenador técnico da Defesa Civil, inspetor João Batista.

Ele informa que, em dias de calor, aumenta muito o número de visitantes em todos os parques, em especial onde há cavas. A maioria dos acidentes ocorre por imprudência das vítimas, em geral adolescentes.

O perigo é maior nas cavas do que no mar porque o fundo das mesmas é totalmente irregular, podendo chegar a até 10 metros de profundidade em alguns trechos. Também há buracos e muito lodo no fundo, o que torna o local uma armadilha para quem se aventura a pular nas águas.

As placas que alertam sobre o perigo das águas são bem visíveis, conservadas e estão localizadas ao longo da margem do rio. No caso do Parque do Passaúna, que tem 6,5 milhões de metros quadrados de área, a fiscalização é tarefa difícil. “Há guardas municipais permanentemente no local, para orientar a população, mas o parque é muito grande e, em finais de semana de verão, chega a receber mais de três mil visitantes”, comenta.

No Parque Náutico do Iguaçu, onde estão as cavas do Iguaçu, a Guarda Municipal também mantém fiscalização 24 horas por dia e um módulo instalado no local. Mas vale lembrar que este é o maior parque da cidade, com 8,2 milhões de metros quadrados, o que torna difícil monitorar todos os pontos. “Por isso, pedimos que a população colabore e jamais mergulhe nas cavas”, diz o inspetor.