Por Marina Sequinel

(Foto: Embratur/Divulgação)

Um curitibano levou os amigos para conhecer a Ópera de Arame, um dos cartões-postais de Curitiba, mas foi impedido de entrar no local devido à realização de um casamento. Segundo ele, a situação levantou dúvidas sobre o uso particular do espaço, que é muito visitado pelos turistas nos fins de semana.

“Eu recebi um casal amigo meu que é de Fortaleza, no Ceará, neste sábado e saí para mostrar a capital paranaense para eles. Fomos em vários parques e, ao chegar na Ópera de Arame, não conseguimos entrar porque tinha um casamento acontecendo ali. Eles estavam decorando tudo com flores, levando os docinhos e tudo mais”, contou o representante comercial Ari Grando, morador de Curitiba, em entrevista ao radialista Geovane Barreiro para o Jornal da Banda B 2ª Edição.

Diante da proibição de entrar no local, outros turistas também ficaram indignados. “Tinha gente, inclusive, de outros países que ficaram sem saber o que fazer. Afinal, esse espaço é público ou particular? Eu achei muito estranho, ainda mais em um sábado, um dia com muito visitantes”, completou Ari.

Em nota, a prefeitura de Curitiba informou que a Ópera de Arame é administrada pela  DC7 empresa, concessionária do espaço desde 2012, através de Contrato de Concessão Onerosa, que permite a exploração do espaço por 25 anos. “Nas datas previstas para uso da Prefeitura não serão programados eventos dessa natureza”, completou a nota.

Não houve resposta, no entanto, sobre os questionamentos de como a concessão funciona, se qualquer pessoa pode alugar o espaço e como os turistas são avisados sobre o fechamento do local.