Por SMCS

ciclista-26082013

A tabulação da pesquisa deverá ocorrer em setembro. Foto: SMCS

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) está realizando, com o apoio da Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu (CicloIguaçu),  uma contagem de tráfego de bicicletas nas regiões centrais da cidade para confirmar de que maneira os ciclistas circulam por essa área.

Além de avaliar a quantidade de ciclistas que passam por trechos da Avenida Sete de Setembro, Avenida Mariano Torres, Rua Tibagi, Rua Lamenha Lins, Avenida Brigadeiro Franco, Rua Bento Vianna e Rua Silveira Peixoto, os pesquisadores também querem saber qual é o perfil dos adeptos da bicicleta. Para tanto, realizam um questionário que investiga a origem e o destino do ciclista, o motivo de seu deslocamento de bicicleta, a frequência com que faz o itinerário, além da idade, sexo, escolaridade, ocupação, faixa de renda e local de moradia. A tabulação da pesquisa deverá ocorrer em setembro.

“É muito importante compreender como o ciclista se movimenta na cidade e que motivos o levam a escolher determinados roteiros. Isso vai nos auxiliar na definição do Plano Cicloviário que estamos desenvolvendo para Curitiba”, afirma Antônio Miranda, especialista em ciclomobilidade e responsável no Ippuc pela elaboração do plano, que dará a Curitiba mais 300 km de ciclofaixas, ciclorrotas e ciclovias, além de permitir a requalificação da malha cicloviária já instalada, que compreende 127 quilômetros.

Para Jorge Brand, coordenador da CicloIguaçu – conhecido entre os cicloativistas como Goura -, participar dessa pesquisa em parceria com o Ippuc é um marco para o movimento pela ciclomobilidade. “Sempre desejamos uma interface positiva com o poder público, sempre buscamos ser ouvidos, e isso finalmente aconteceu. Essa atitude mostra que a preocupação com os ciclistas e com a ciclomobilidade vai muito além das pranchetas”, disse. A CicloIguaçu congrega cerca de 300 pessoas entre associados e colaboradores e possui milhares de seguidores nas redes sociais.

O presidente do Ippuc, Sérgio Póvoa Pires, explica que a pesquisa é muito valiosa por estar sendo realizada de forma colaborativa com os cicloativistas e por ajudar a desenhar cenários mais precisos dentro da malha viária. “Precisamos saber de onde vêm o ciclista, para onde ele se dirige e que motivos o levaram a escolher a bicicleta como modal de transporte. Se fornecermos a infraestrutura adequada e segura, com toda certeza estaremos contribuindo para aumentar o número de ciclistas em nossa cidade”, destaca Pires.

Além da malha cicloviária, a Prefeitura de Curitiba deverá implantar paraciclos e bicicletários que permitirão, inclusive, a possibilidade de troca de modal de transporte. “Estamos trabalhando para transformar Curitiba numa cidade multimodal e a bicicleta será um componente fundamental nesse processo, ao lado da acessibilidade por calçadas seguras e dos demais meios de transporte”, disse Pires.