Por Elizangela Jubanski e Bruno Henrique

cachorra-dentro

“Cães comunitários não estão sozinhos”, diz faixa. Foto: BH/Banda B

Cerca de 10 pessoas se reuniram no Terminal do Capão Raso, em Curitiba, na manhã deste sábado (17), para protestar contra a falta de cautela de motoristas quando aos cachorros que circulam dentro do local. No último dia 31, uma cadela morreu atropelada por um ônibus biarticulado nesse terminal. De acordo com a polícia, a cachorra estava deitada na pista de acesso dos ônibus ao terminal, quando acabou sendo atropelada.

A manifestação de hoje foi encabeçada pelas mulheres que cuidam dos cachorros abandonados no terminal. Há mais quatro deles no local. A contadora Eva Vizinewiski esteve no terminal para protestar e reclamou da falta de respeito dos motoristas. “São animais abandonados, não têm culpa de estarem aqui. Os motoristas precisam ter cautela e andar devagar por aqui. Eles são dóceis, é uma crueldade fazer isso”, disse, em entrevista à Banda B.

cachorra

Cadela foi atropelada dia 31 de julho por ônibus. Foto: BH/Banda B

Outra manifestante, Maria Jose Vieira, que mora na região, disse que cuida dos cachorros e os alimenta. “A gente faz mutirão aqui pra alimentar os cães, quando eles ficam doentes também. Esses dias nos reunimos para castrá-los. São abandonados, mas são cachorros e não podemos deixar crueldades acontecer com eles”, contou.

Cartazes e faixas erguidos dentro do terminal pedem mais respeitos aos animais. Um deles diz: Cães comunitários não estão sozinhos.

No dia em que a cadela foi atropelada dentro do terminal, vários passageiros se revoltaram com o caso e houve princípio de confusão. A cachorrinha fazia parte do projeto Cães Comunitários, da Prefeitura de Curitiba. Depois do atropelamento, o corpo do animal foi recolhido pela Rede de Proteção Animal da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Em fevereiro deste ano, outro caso aconteceu. Na ocasião, um ônibus da linha Interbairros atropelou aproximadamente dez cachorros, no bairro Hauer. Em imagens divulgadas pela URBS no caso era possível perceber que o motorista do veículo não viu os animais.