A campanha nacional de vacinação contra a gripe termina nesta sexta-feira (10), mas as unidades de saúde do Paraná continuarão vacinando os grupos prioritários da campanha enquanto houver doses disponíveis. Crianças com idade entre dois e cinco anos incompletos também poderão se vacinar na rede pública de saúde a partir de segunda-feira (13).

A inclusão do novo grupo foi anunciada na manhã desta sexta-feira (10) pelo superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, e beneficia mais de 440 mil crianças paranaenses. “Queríamos ter vacinado as crianças menores de cinco anos já desde o início da campanha. Mas só agora, com doses remanescentes da campanha, poderemos imunizar este grupo”, explicou

A medida está embasada no parecer da comissão estadual de infectologia, que se reuniu na quinta-feira (9), em Curitiba. De acordo com a comissão, estudos científicos revelam que as crianças nesta faixa etária estão mais susceptíveis à gripe e o risco de complicações pela doença é maior.

A Secretaria da Saúde orienta que os pais levem seus filhos menores de cinco anos a um posto de vacinação, com a certidão de nascimento da criança (ou outro documento de identidade) e a carteirinha de vacinação.

CAMPANHA – Até esta sexta-feira (10) o Paraná já havia alcançado 86% da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde para a campanha de vacinação. Cerca de 2 milhões de pessoas já foram imunizadas no Estado. O único grupo prioritário que não atingiu a meta de 80% foi o das gestantes, com 72% de cobertura vacinal.

Veja quais são os grupos prioritários e que documentos levar:

Crianças (seis meses a menores de cinco anos): registro de nascimento ou carteira de identidade.

Idosos (acima de 60 anos): carteira de identidade.

Grávidas: carteira da gestante.

Mulheres até 45 dias após o parto: carteira da gestante e documento do bebê.

Doentes crônicos: poderão se vacinar nas unidades de saúde, desde que estejam com a prescrição médica. Preferencialmente, os pacientes já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS, deverão se dirigir aos postos onde realizam o tratamento. Se na unidade de saúde onde são atendidos regularmente não existir um posto de vacinação, os pacientes devem solicitar prescrição médica e se dirigirem a outro posto.

Profissionais de saúde: serão vacinados nos hospitais ou nas unidades onde atuam, ou nos postos de vacinação, mediante apresentação de declaração do médico responsável pelo serviço onde o profissional trabalha.