A Copel começou a instalar uma subestação no Jardim Maringá, em Londrina, para atender 36 mil domicílios próximos à região central da cidade. A obra, orçada em R$ 25 milhões, inclui linha de transmissão e oito circuitos alimentadores de distribuição. A subestação faz parte do conjunto de investimentos da Copel em Londrina, que chegam a R$ 85 milhões. “São investimentos importantes para melhorar cada vez mais o fornecimento de energia em Londrina”, diz o governador Beto Richa.

A subestação no Jardim Maringá operará na tensão de 138 mil volts e será interligada às unidades Igapó e Jardim Bandeirantes 2. A linha de transmissão que fará a integração das três subestações terá 10,8 quilômetros de extensão, operando no mesmo nível de tensão. O conjunto aumentará a disponibilidade de energia elétrica e a confiabilidade de operação do sistema a partir de sua conclusão, prevista para dezembro.

Segundo o diretor de Distribuição da Companhia, Vlademir Santo Daleffe, esta é uma obra considerada estratégica. “Nosso objetivo é conectar as subestações para garantir alternativas de abastecimento em uma eventual falha na fonte principal”, explica. Ele acrescenta que a operação da nova subestação será totalmente automatizada, o que reduz o tempo de resposta no caso de desligamentos.

A nova unidade terá dois transformadores, com potência de 20 megavolt-ampère cada, o que aumentará a quantidade de energia elétrica disponível para o crescimento do município e possibilitará a instalação de novas cargas na região, que registra crescimento exponencial, principalmente nos setores residencial e comercial.

A energia elétrica será distribuída a cada endereço por oito circuitos alimentadores, a partir da nova subestação, orçados em R$ 2,9 milhões. A subestação tem custo previsto de R$ 14,5 milhões, e a linha de transmissão, R$ 7,6 milhões.

MEIO AMBIENTE – Todo o empreendimento foi projetado de modo a reduzir possíveis impactos ambientais. A nova subestação será construída em modelo abrigado, semelhante a uma construção predial convencional. Para atenuar e prevenir os impactos socioambientais decorrentes da instalação e operação da subestação, serão executados seis programas ambientais.

Adicionalmente, como medida compensatória pela construção da subestação, foram plantadas, em julho de 2012, 1.250 mudas de árvores às margens do Lago Igapó 3, em uma área de 7.500 metros quadrados. O plantio é mantido pela empresa, que em janeiro deste ano fez o replantio de 250 mudas no local, substituindo exemplares que não se desenvolveram ou foram danificados por vandalismo.

Ainda serão plantadas pelo menos 744 mudas, em caráter compensatório pela construção da linha de transmissão. O empreendimento conta com certidões do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina – Ippul, parecer técnico da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, licença de instalação e autorizações ambiental e florestal do IAP.

INVESTIMENTOS – De acordo com o diretor de Engenharia da Copel, Jorge Andriguetto Junior, as obras ligadas à subestação no Jardim Maringá fazem parte de um grande conjunto de investimentos em andamento. “Estamos trabalhando paralelamente na ampliação de subestações e construção de novas linhas. O objetivo é tornar o sistema elétrico que atende Londrina e região metropolitana mais robusto e confiável”, afirma.

Entre as unidades que estão recebendo ampliação, estão as subestações Londrina, Londrina Eletrosul, Igapó e Vera Cruz, além da construção de outras quatro linhas de transmissão que interligarão unidades do município com outras localizadas em Ibiporã, Rolândia e Figueira. Oinvestimentonessas obras deve somar aproximadamente R$ 60 milhões, com previsão de conclusão para agosto de 2014.