Por Felipe Ribeiro e Flávia Barros

(Fotos: Flávia Barros – Banda B)

Manifestantes realizaram na noite desta sexta-feira (10) o segundo ato contra o aumento da tarifa de ônibus, que passou de R$ 3,70 para R$ 4,25 em Curitiba. Com acompanhamento de um grande número de policiais militares, a passeata saiu da Praça Santos Andrade em direção à Boca Maldita, de forma muito tranquila. Na segunda-feira (6), houve confronto com a Polícia Militar após atos de vandalismo no centro da cidade, mas hoje aconteceu de forma diferente.

Com gritos contra o prefeito Rafael Greca e o governador Beto Richa, os manifestantes diziam que o novo preço é “um assalto”. Eles também gritavam palavras de ordem contra o comando da Polícia Militar, a quem responsabilizam pelos feridos da última segunda.

A estudante Samara Alves lamentou à Banda B o aumento determinado pela Prefeitura de Curitiba. “Aumentaram para um valor absurdo a tarifa. Nós gastamos R$ 10 de tarifa diária e querem lucrar tirando do mais pobre, para pagarem os ricos em cargos com alto salário. Este tipo de atitude é lamentável. Na segunda, sabemos que parte do grupo agiu com vandalismo, mas a movimentação da polícia foi absurda. Eles sabiam quem estava agindo errado, mas fizeram a abordagem errada contra todos”, lamentou.

De acordo com a Prefeitura de Curitiba, o reajuste é necessário para recompor o equilíbrio econômico-financeiro do sistema de transporte público e permite a retomada de investimentos que tragam melhorias para os passageiros.

A manifestação desta sexta contou ainda com acompanhamento do helicóptero da Polícia Militar.

Assista vídeo da manifestação na Rua XV de Novembro: