Por Felipe Ribeiro

Contra o ajuste fiscal proposto pelo prefeito Rafael Greca, servidores municipais prometem realizar paralisações de até 50 minutos, nesta sexta-feira (31), em todos os serviços da Prefeitura de Curitiba. De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sismuc), a paralisação deve afetar os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), Centros Municipais de Ensino Infantil (CMEIs), Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), Unidades de Saúde e demais centros de atendimento da prefeitura.

De acordo com o Jonathan Ramos, da diretoria do Sismuc, o ajuste fiscal atinge não só os servidores, como todos os curitibanos. “A paralisação vai servir para mostrar para a comunidade o que o prefeito quer fazer, mostrar que ele quer tirar direitos principalmente dos mais pobres, como é o caso do aumento do ITBI ou da nova taxa de lixo”, disse em entrevista ao radialista Geovane Barreiro, durante o Jornal da Banda B.

O projeto de ajuste encaminhado para a Câmara Municipal quer reformular vários planos para manter o equilíbrio das contas da administração, segundo o prefeito Rafael Greca. Estão previstas mudanças na lei de Responsabilidade Fiscal, na Meta Fiscal, no ITBI, no cartão transporte, entre outros.

Ramos diz que o Sismuc esteve reunido com vereadores durante a semana e que até eles receberam o projeto de ajuste com surpresa. “Os vereadores que desconhecem do orçamento da cidade, uma vez que o ex-prefeito Gustavo Fruet publica em sua rede social que deixou a prefeitura correta e o Greca diz que não. Há uma discordância em orçamento e é até bom afirmar que os vereadores disseram que quando o plano de carreira foi aprovado, a gestão anterior dizia que havia dinheiro para pagar todos os planos de carreira. Então temos uma contradição entre um prefeito e outro e uma Câmara que não entende. Alguém não está falando com a verdade”, concluiu.

Ainda nesta quinta, o Sismuc irá realizar uma assembleia com a categoria para definir novos passos da mobilização contra o ajuste fiscal.