O consumo de energia no Paraná cresceu 5,4% em 2012, em relação ao ano anterior. Entre consumidores cativos e os chamados consumidores livres, o consumo totalizou 24.638 GWh (gigawatts-horas) na área de concessão da Copel, que alcança 393 dos 399 municípios paranaenses e mais Porto União, em Santa Catarina.

Formado por 4 milhões de unidades consumidoras, o mercado cativo cresceu 3,5% e foi responsável pelo consumo de 23.234 GWh, enquanto o mercado livre elevou-se 52,8%, consumindo 1.404 GWh no período.

O maior percentual de expansão foi registrado no segmento comercial, que ao final do ano respondia por 21,7% do mercado cativo da Copel, ou 327 mil consumidores. Influenciado pelas vendas de varejo, a elevação do consumo neste segmento atingiu 5,9%, totalizando 5.048 GWh.

CRÉDITO E RENDA – A classe residencial consumiu 5,4% a mais do que em 2011, ou 6.559 GWh. “O aumento do consumo neste segmento foi estimulado pela continuidade do movimento de expansão do crédito e da renda e, ainda, em razão da ocorrência de temperaturas acima da média, principalmente no quarto trimestre”, explica o diretor de Distribuição da Copel, Pedro Augusto do Nascimento Neto. Ao final de 2012, a classe residencial era equivalente a 28,2% do mercado cativo da Copel, totalizando 3.196.457 consumidores.

A classe rural consumiu 2.025 GWh e cresceu 8,2%, em decorrência do bom desempenho apresentado pelo agronegócio paranaense ao longo de 2012. Esta classe representava 8,7% do mercado cativo da Copel, e, ao final do ano, eram atendidos 372.640 consumidores rurais.

As outras classes (poderes públicos, iluminação pública, serviços públicos e consumo próprio) consumiram 2.211 GWh, aumento de 4,2%. Estes segmentos, em conjunto, eram equivalentes a 9,6% do mercado cativo da Copel, totalizando 54.512 consumidores no final do período.

INDÚSTRIA RECUA 1,0% – A classe industrial apresentou uma redução de 1,0% no consumo, totalizando 7.391 GWh em 2012. “Este resultado foi ocasionado, basicamente, pela queda na produção industrial decorrente dos efeitos da crise econômica mundial e pela migração de grandes clientes para o mercado livre”, explica o diretor de Distribuição. Ao final de dezembro, a classe industrial representava 31,8% do mercado cativo da Copel e eram atendidos 86.717 consumidores industriais.

O mercado fio da Copel Distribuição – composto pelo mercado cativo, outras concessionárias e consumidores livres – avançou 2,7%, afetado pela migração de grandes consumidores industriais livres para a rede básica no final de 2011. Excluindo os efeitos desta migração, o mercado fio teria apresentado um crescimento de 4,7% em 2012.