A Gri-Cei, um dos empreendimentos industriais atraídos pelo programa Paraná Competitivo, do Governo do Estado, iniciou nesta terça-feira (2) as obras de construção de sua fábrica em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. A empresa instala a primeira fábrica de bolsas para extração, separação, conservação e transfusão de sangue, do Sul do País. O investimento é de R$ 23,9 milhões, com a geração de 122 empregos diretos.

O secretario da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, participou do lançamento da pedra fundamental e lembrou que nos últimos dois anos o Paraná atraiu R$ 20 bilhões em novos empreendimentos, que estão gerando 120 mil empregos em todas as regiões do Estado. “Temos uma forte parceria com a iniciativa privada na construção do maior ciclo de industrialização da história do Estado”, disse Barros, que representou o governador Beto Richa no evento.

“Este empreendimento da Gri-Cei é resultado de uma boa negociação, em que trabalhamos juntos para configurar o melhor benefício para a empresa, aliado ao interesse público de geração de renda e empregos”, afirmou o secretario.

O início de funcionamento da nova fábrica está previsto para o último trimestre do ano que vem. A capacidade de produção inicial é de 2 milhões de bolsas unidades por ano, que depois será duplicada.

MERCADO – O empreendimento é resultado de uma sociedade entre o grupo espanhol Grifols, um dos maiores do mundo no setor farmacêutico e hospitalar, e a CEI (Comércio, Exportação e Importação de Materiais Médicos), empresa paranaense especializada na comercialização de produtos hospitalares.

Segundo o presidente da Grifols, Víctor Grifols, a empresa avaliou outros dois estados antes de escolher pelo Paraná. “Aqui estamos muito satisfeitos com o suporte recebido. As aspirações da Grifols não terminam nessa fábrica, que é só o começo”, afirmou Grifols, ao adiantar que a empresa já avalia a ampliação dos investimentos em outros terrrenos de Campo Largo.

A fábrica em Campo Largo vai suprir a demanda brasileira pelos produtos da companhia, que são importados da Espanha. A previsão é que 44 % da produção sejam destinadas ao mercado interno e 56 % ao Mercosul e México.

“Esta nova planta responderá à crescente demanda deste tipo de produto, atendendo as necessidades do mercado brasileiro e de outros países da América Latina”, explicou o presidente da Gri-Cei Miquel Pasqual.

O lançamento da pedra fundamental teve a presença do prefeito de Campo Largo Affonso Portugal Guimarães; do presidente da Cei Paulo Cezar Pacheco, e do presidente da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH).