Da Agência Câmara

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar aprovou na tarde desta quarta-feira (20) o parecer do deputado Júlio Delgado (PSB-MG) que recomenda a perda de mandato do deputado André Vargas (sem partido-PR). Segundo Delgado, Vargas quebrou o decoro parlamentar ao ter atuado na intermediação junto ao Ministério da Saúde em favor do laboratório Labogen, do doleiro Alberto Youssef, preso em março por participação em esquema de lavagem de dinheiro. De acordo com o relator, Vargas também errou ao viajar em um jatinho providenciado pelo doleiro.

vargas

Foto: Agência Câmara

Para Delgado, mais grave é a relação próxima de Vargas com o doleiro. “Youssef e André Vargas tinham uma relação íntima. A primeira concretização disso era o contrato firmado no Ministério da Saúde e já estavam caminhando para haver uma relação com a Funcef, o fundo dos economiários da CEF.” Delgado afirmou que essa relação de Vargas é incompatível com o decoro parlamentar.

André Vargas pode apresentar recurso à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

O pedido de cassação ainda precisa ser analisado pelo Plenário da Câmara, onde tem de ser aprovado por 257 deputados, em votação aberta.