Do MPF/PR

O doleiro Paulo Roberto Krug está sendo procurado pelas autoridades policiais para dar início ao cumprimento de pena em regime fechado no sistema prisional do Estado. Krug ficou conhecido por ser um dos poucos réus do Caso Banestado a ser definitivamente condenado pela Justiça, pois grande parte dos acusados teve a pena cancelada pela demora do processo. Quase dez anos após ser denunciado pelo Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR), o doleiro chegou a cumprir pena no regime semiaberto em 2013, condenado definitivamente a 4 anos, 9 meses e 18 dias por crimes financeiros praticados durante o escândalo.

Divulgação

Após progredir para o regime aberto, Paulo Roberto Krug teve nova prisão decretada em razão de condenação em outros processos, que unificaram a pena em mais de dez anos. Desta segunda condenação existe pendente o julgamento de Recurso Especial junto ao Superior Tribunal de Justiça. Contudo, em decorrência da nova orientação adotada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que possibilitou o início do cumprimento de pena após condenação por colegiado em segunda instância, o juiz de direito da 2.ª Vara de Execuções de Curitiba determinou a regressão de regime de Paulo Roberto Krug, determinando o cumprimento imediato da pena no regime fechado, ou seja, dentro do sistema penitenciário, com a consequente expedição de mandado de prisão.

Policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (COPE) da Polícia Civil estiveram procurando Krug para cumprimento do mandado de prisão na última terça-feira, 14 de fevereiro, mas não encontraram o condenado, que é considerado foragido da Justiça.

Para o procurador da República Diogo Castor de Mattos, casos como o de Krug só demonstram o quanto o atual sistema processual penal precisa ser modificado. “É inconcebível que após mais de uma década da denúncia ainda existam tantos obstáculos para se efetivar uma prisão”, pontuou.

Se você tem alguma informação que pode levar ao paradeiro de Paulo Roberto Krug pode ser repassada às autoridades policiais, pelos números (41) 3217-2900 e (41)3883-8100.