Da Redação

Fotos: Célio Borba

Fotos: Célio Borba

A comunidade árabe de Curitiba promoveu nesta segunda-feira (9) um protesto contra o possível ataque dos Estados Unidos à Síria, que depende da aprovação do Congresso Americano para acontecer. O ato, que reuniu cerca de 60 pessoas na Boca Maldita, serviu de repúdio às ameaças e contou com a presença da comunidade síria, descendentes, imigrantes e militantes dos direitos humanos.

De acordo com o ouvinte Célio Borba, os manifestantes estavam com bandeiras do país e retratos do presidente Bashar al-Assad. “Eles gritavam palavras de apoio ao governo do ditador Assad. Também esteve presente um sheik que fez um pronunciamento contra Barack Obama e seus propósitos de ameaças contra a Síria”, disse.

Entenda o conflito

A Guerra Civil Síria acontece há mais de dois anos e já matou cerca de 2 mil pessoas. Sua origem está no descontentamento do povo com o regime do presidente Bashar al-Assad, que sucedeu seu pai Hafez al-Assad. Depois de décadas de repressão, a população decidiu ir às ruas lutar por liberdade e democracia, mas o ditador não cedeu. Então, o movimento que iniciou durante a Primavera Árabe se transformou em um conflito sangrento que já afetou sete milhões.

Em meio aos confrontos, houve massacres cujas imagens ganharam o mundo e causaram a revolta em vários países. Como o diálogo parece esgotado, começou-se a pensar em uma intervenção militar para deter o extermínio de civis, puxado pelos Estados Unidos e seus aliadois. Do outro lado estão Assad e alguns países que o apoiam, como a Rússia.

O ataque já foi anunciado pelo presidente Barack Obama, que aguarda autorização do Congresso Americano.