(Foto: Divulgação)

A Aeronáutica Civil da Colômbia contestou os resultados das investigações de órgãos similares da Bolívia sobre o acidente do avião da LaMia, em 29 de novembro, que caiu nas proximidades do aeroporto de Medellín, causando a morte de 71 pessoas, entre elas 19 jogadores da Chapecoense, dirigentes, jornalistas e tripulantes.

Órgãos responsáveis colombianos disseram que seus pares da Bolívia não têm autonomia para divulgar e concluir pareceres oficiais e conclusivos sobre este que foi o maior acidente da história envolvendo um time de futebol. Isso não competiria a eles.

“A Bolívia não tem faculdade, não tem a competência para dar resultados oficiais de investigação. O país que comanda esse trabalho é a Colômbia”, disse o diretor da entidade Alfredo Bocanegra. “Com todo o respeito à Bolívia, queria entender que isso foi um ato de imprudência, uma indelicadeza.”

Nas conclusões dos órgãos competentes bolivianos, ficou estabelecido que o acidente foi provocado por falta de combustível na aeronave por responsabilidade da empresa LaMia e do seu piloto, morto no acidente. A Colômbia prometeu para segunda-feira a apresentação de um relatório preliminar oficial sobre a tragédia.