A Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) começou na quarta-feira (27) reuniões com prefeituras do estado para esclarecimento sobre o terceiro leilão do programa Minha Casa Minha Vida Sub 50, destinado a cidades com até 50 mil habitantes. No primeiro dia foram feitos encontros nas regiões de Ponta Grossa, União da Vitória,Guarapuava e Francisco Beltrão, até a próxima sexta-feira serão visitadas também Cascavel, Campo Mourão, Umuarama, Paranavaí, Maringá, Apucarana, Londrina e Cornélio Procópio. O programa do Governo Federal é desenvolvido por parcerias com o Ggoverno do Paraná e administração municipal.

O presidente da Cohapar, Mounir Chaowiche, e os técnicos Jocely Loyola, Jurandir Guatassara e Telmo Samolenko apresentaram o programa e informações sobre a portaria do Ministério das Cidades que abriu as inscrições para as cidades interessadas, que têm até o dia 4 de abril para apresentarem suas propostas.

Chaowiche disse aos prefeitos que a Cohapar está em 378 municípios paranaenses e que está à disposição para ampliar as parcerias e levar moradias dignas a milhares de paranaenses. “Quando se fala em habitação, o governo do Paraná é referência, pois buscamos sempre agilidade na execução dos projetos. Somos um dos estados mais adiantados na contratação e início de obras”.

O presidente da Cohapar recomendou aos prefeitos e técnicos que cada município tenha um agente de habitação. “Uma pessoa que fique responsável por tudo que diz respeito à construção de moradias urbanas, rurais, titulação, regularização fundiária e melhorias. Esta pessoa será o nosso canal de comunicação dentro da prefeitura e ela saberá sobre todos os processos”.

Sobre as parcerias, Chaowiche ressaltou que o governador Beto Richa entende que trabalhar em conjunto é a melhor forma atender mais famílias com casa própria. “O Governo do Paraná agrega valor aos programas do governo federal, seja com a subvenção de até R$ 5 mil, Copel, Sanepar e todo o apoio técnico da Cohapar”.

Participação – As prefeituras devem apresentar áreas loteadas para a construção de moradias de 42 metros quadrados com total acessibilidade e prestações que comprometem no máximo 5% da renda familiar. As casas são destinadas a famílias de baixa renda, preferencialmente pessoas que moram em áreas de risco.

Além de prefeitos e técnicos, também estiveram presentes representantes da secretaria da Família e Desenvolvimento Social, Paraná Cidade, IAP e representantes de deputados estaduais.