Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

vencidos1

Produtos estavam nas gôndolas para serem vendidos com mais de três meses fora da validade. Foto: DM/Banda B

O dono de um mercado no Jardim Paulista, em Campina Grande de Sul, na região metropolitana de Curitiba, foi preso suspeito de vender produtos vencidos dentro de seu estabelecimento. O empresário alegou que um funcionário estaria sempre atento para trocar os produtos no momento em que algum cliente fosse até a prateleira e pegasse o item vencido na gôndola. A alegação não convenceu a polícia. Entre os produtos vencidos, bebida láctea e requeijão.

A polícia recebeu a informação por meio de denúncias anônimas de clientes. Na tarde de sexta-feira (16), policiais civis foram até o local checar as informações recebidas e encontraram diversos produtos há mais de três meses vencidos. “O dono foi levado para a delegacia e lá ficou em silêncio, mas no mercado chegou a nos dizer que os produtos seriam trocados, caso alguém quisesse levar”, contou o delegado João Machado.

Horas após o flagrante e a prisão, o dono do mercado recebeu alvará de soltura expedido pelo Poder Judiciário. Todos os produtos foram recolhidos. A exposição de produtos vencidos pode levar a multa de R$ 420 a R$ 6 milhões, dependendo da gravidade do caso. Como cabe recurso da decisão, na prática, a punição pode demorar a fazer efeito.