Por Felipe Ribeiro e Luiz Henrique de Oliveira

Foto: SMCS

Com ameaças de atraso no pagamento da segunda parcela do 13° salário e também do vale de motoristas e cobradores, Curitiba e região metropolitana podem amanhecer com greve parcial de ônibus nesta quarta-feira (21). De acordo com o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus (Sindimoc), Anderson Teixeira, são cinco empresas que anunciaram problemas financeiros e que podem não realizar o pagamento nesta terça-feira (20).

“Essas empresas alegam dificuldades para o pagamento do vale e também do 13° salário. Para essa situação, já temos indicativo de greve em aberto caso o pagamento não aconteça”, explicou Teixeira.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Ônibus (Setransp) disse que tentou, por vários dias, alertar sobre as consequências dos atrasos nos repasses por parte da Urbanização de Curitiba (Urbs). “Hoje, lembre-se novamente, dia do pagamento do vale e da segunda parcela do 13º salário, a Urbs deveria repassar R$ 4,6 milhões às empresas, mas só transferiu R$ 850 mil. O órgão gestor deve, portanto, R$ 3,8 milhões, referentes ao serviço já prestado nos dias 14, 15, 16, 17 e 18”, disse a entidade.

Tanto Sindimoc, quanto Setransp, aguardam agora o fim do expediente bancário para decidir quais medidas tomar. Caso o pagamento dos trabalhadores não aconteça, a capital terá greve em todas as empresas com problemas.

A Banda B entrou em contato com a Prefeitura de Curitiba, que informou que a Urbs deve iniciar a regularização na quarta-feira. Confira a nota na íntegra:

“A Urbs deve iniciar já nesta quarta-feira a regularização dos repasses de parcelas em atraso para as empresas operadoras do transporte coletivo. O atraso ocorreu devido à falta de recursos em caixa provocada pela redução nas vendas de crédito transporte, o que está diretamente ligado aos índices de desemprego. Outra importante questão que se reflete no fluxo de caixa é o prazo de cinco anos para validade dos créditos, medida adotada a partir de 2014. Com isso, ainda há passageiros utilizando passagens compradas a R$ 2,60 e R$ 2,70, por exemplo.

Além da operação do transporte, as receitas do Fundo de Urbanização de Curitiba (FUC) também pagam a manutenção do sistema – terminais, estações, controle operacional, entre outras. As empresas operadoras recebem antecipadamente em torno de 40% da receita de passagens. São as passagens pagas em dinheiro que ficam diretamente com as empresas como antecipação do repasse, que deve ser feito até 48 horas depois do dia do serviço prestado (D+2).

A Urbs reafirma que vem fazendo todo o esforço possível para regularização dos repasses. Inúmeras vezes ao longo da gestão, sempre que foi possível, as empresas receberam antecipadamente, às vezes inclusive com repasses no mesmo dia da prestação do serviço. Em novembro, para ajudar as empresas no pagamento da primeira parcela do 13º salário a Urbs fez repasses em 24 horas (D+1) durante dez dias. Por outro lado, vale lembrar que as empresas já receberam cerca de R$ 20 milhões referentes ao 13º, que estão provisionados na tarifa, além dos recursos para implantação de banheiros químicos, que também estão na tarifa embora ainda não tenham sido instalados.”