Autoridades da China confirmaram hoje (23) que 21 pessoas morreram e 104 foram contaminadas pelo vírus H7N9 da nova gripe aviária transmitida. O caso mais recente é o de um trabalhador, de 36 anos, na província de Shandong, no Leste da China. Foi o primeiro caso na região. Hospitalizado, o trabalhador está em estado grave. Nove pessoas que tiveram contato com o infectado estão em observação, mas não apresentaram sinais de contaminação.

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do governo chinês, que atuam nas investigações sobre o H7N9, informaram que oito pacientes se recuperaram, 11 morreram, enquanto 14 ainda estão em tratamento apenas em Xangai.

As informações sobre as formas de contaminação da doença envolvem uma série de especulações.

O assistente do diretor-geral de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da OMS, Keiji Fukuda, disse que, por enquanto, não há evidências de que ocorra transmissão entre pessoas.

Especialistas inspecionaram as regiões onde ocorreram casos de contaminação pelo vírus H7N9. Foram examinados laboratórios, hospitais, clínicas, mercados e locais onde as infecções foram relatadas em Pequim e Xangai.