Reprodução RPC-TV
Chefe da UTI será indiciada por homicídio qualificado

A Polícia Civil falou pela primeira vez sobre a prisão da doutora Virgínia Helena Soares de Souza, chefe da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Evangélico, em Curitiba, na manhã de ontem. Na entrevista coletiva nesta quarta-feira (20), o delegado-geral da Polícia Civil, Marcus ViniciusMichelotto, informou que a médica deverá ser indiciada por homicídio qualificado, quando há a intenção de matar.

“O que nós julgamos aqui é a questão de assassinatos. Ela está sendo investigada por isto”, contou o delegado. “Não me lembro de um caso como este envolvendo a saúde. Nós fizemos a nossa parte e agora vamos aguardar a decisão da justiça. O Ministério Público está nos apoiando no caso para que tudo seja feito da maneira correta”, complementou Michelotto.

A delegada-chefe do Nucrisa, Paula Brisola, que investiga o caso, também o trata com poucas palavras. “É uma investigação que veio por meio de denúncias, que já dura mais de um ano. Ela teve a prisão preventiva de 30 dias decretada para que possamos colher mais informações. Estamos mantendo tudo em sigilo porque é algo sério que precisa de todo cuidado”, contou.

Defesa

Presente na coletiva, o advogado de Virgínia, doutor Elias Mattar Assad, refutou as declarações dos delegados. “O que vemos aqui é um pedido de prisão antes das provas serem colhidas. Não é informado um caso de alguém que morreu por culpa dela, então como se pode prendê-la?”, questionou.

Auditoria

A Prefeitura de Curitiba definiu a equipe que acompanhará funcionamento do Hospital Evangélico.O ortopedista Luiz Carlos Sobania, o médico intensivista Ilmar José Ramos Carneiro Leão e o médico e auditor Mário Lobato da Costa são os profissionais indicados pela Secretaria Municipal da Saúde para atuar a partir desta quarta-feira (20) no hospital. A equipe contará também com o médico Maurício Marcondes Ribas, indicado pelo Conselho Regional de Medicina.
A medida, decidida em conjunto com a direção do hospital, tem o objetivo de assegurar a continuidade do atendimento aos pacientes e apurar eventuais irregularidades ocorridas na instituição.

A sindicância para apurar eventuais irregularidades ocorridas na UTI Geral do Hospital Evangélico será conduzida pelo médico Mário Lobato da Costa, que é auditor do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus), órgão do Ministério da Saúde, e está à disposição da Secretaria Municipal da Saúde.

O Conselho Regional de Medicina também designou o médico Maurício Marcondes Ribas, que é vice-presidente do CRM e funcionário da Secretaria Municipal de Saúde, para acompanhar os trabalhos.