Os preços dos produtos que compõem a cesta básica dos brasileiros subiram, em abril, em 12 das 18 capitais onde o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) faz o acompanhamento das variações mensais.

Segundo a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, as três capitais que apresentaram os maiores percentuais de correção foram o Recife (6,55%), João Pessoa (5,94%) e Belém (5,25%). Já as principais quedas ocorreram em Salvador (-4,63%), Porto Alegre (-3%) e Campo Grande (-1,73%).

São Paulo continua no topo da lista das cestas mais caras. Para comprar o conjunto de itens essenciais, as famílias paulistanas tiveram de desembolsar R$ 344,30, ou 2,39% acima do mês anterior. O segundo maior valor foi encontrado em Manaus (R$ 339,64), com alta de 3,39%. Em seguida vêm Vitória (R$ 328,94), embora com queda de 0,99% sobre o mês anterior, e o Rio de Janeiro (R$ 327,52), com correção de 3,98%.

Em sentido oposto, as cestas mais baratas foram verificadas em Aracaju (R$ 247,72), valor 0,72% acima do de março; Salvador (R$ 268,05), com 4,73% de queda, e Campo Grande (R$ 271,65), com redução de 1,73%.

O salário mínimo calculado como o ideal para garantir o suprimento das famílias ficou em R$ 2.892,47, quantia 4,26 vezes o valor em vigor (R$ 678) Esse teto ficou acima do estimado em março, R$ 2.824,92 ou 4,17 vezes o piso vigente. Em abril de 2012, o valor tinha sido R$ 2.329,35, 3,74 vezes o mínimo daquele período (R$ 622).

De janeiro a abril, os produtos ficaram mais caros em todas as capitais pesquisadas, com destaque para João Pessoa (22,33%), Aracaju (21,40%) e o Recife (19,84%). Os menores aumentos ocorreram em Porto Alegre (6,08%), Florianópolis (7,36%) e Goiânia (8%).

Considerando-se o período de 12 meses – entre maio de 2012 e abril deste ano –, as maiores correções foram observadas em João Pessoa (34,11%), no Recife (33,21%) e em Fortaleza (32,99%). Já os menores percentuais de alta ocorreram em Porto Alegre (16,48%), Curitiba (18,98%), Florianópolis (20,75%) e Goiânia (20,76%).

Em abril, os produtos que mais influenciaram a alta da cesta básica foram: leite, feijão, farinha, pão francês e banana. A exemplo do registrado em março, a carne bovina, produto de maior peso na composição do valor da cesta básica, teve queda na maioria das capitais – em 15 das 18. Houve redução de preço do arroz em 17 das 18 capitais, embora no levantamento anual esse alimento tenha ficado mais caro em 17 capitais.