A CCD Transporte Coletivo prometeu, em nota enviada à imprensa nesta quinta-feira (10), que irá regularizar o salário dos seus 1,2 mil motoristas e cobradores nesta sexta-feira. Na última terça-feira (8), os funcionários da empresa optaram pelo indicativo de greve e, de acordo com o presidente do Sindicato de Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), Anderson Teixeira, mesmo com o pagamento, o indicativo está mantido.

“Essa nota foi recebida com surpresa pelo sindicato, já que há poucos minutos eu estive reunido com o advogado da empresa que me disse que nada estava definido. Mas, mesmo com os pagamentos, o indicativo de greve está mantido, já que apenas com consulta aos trabalhadores em assembleia são tomadas decisões sobre a paralisação”, afirmou.

De acordo com o diretor-executivo da CCD, João Abujamra Neto, nunca houve atraso no pagamento dos salários dos funcionários até o ano passado. Inclusive, em seu histórico, a CCD não possui passivo trabalhista na Justiça do Trabalho.

“É público e notório que o sistema de transporte coletivo urbano de Curitiba enfrenta problemas, inclusive sendo objeto de inúmeras ações coletivas. Essa situação causou problemas financeiros temporários para a CCD. Mesmo assim, a empresa nunca deixou de proteger prioritariamente seus funcionários, inclusive avisando antecipadamente a classe trabalhadora quanto às datas dos pagamentos previstos em lei”, comenta o advogado e representante legal da CCD, Carlos Alberto Farracha de Castro.

A assembleia dos trabalhadores será realizada nesta sexta-feira às 20h. Caso optem pela greve, as principalmente as linhas da região Leste de Curitiba, que são atendidas pela CCD terão paralisações. As linhas que podem ser atingidas são: Interbairros II, do ligeirinho Inter 2, e biarticulado Centenário-Campo Comprido.