Por Luiz Henrique de Oliveira

 

capivarabarigui12092013

Capivara não resistiu aos ferimentos (Foto: Reprodução Facebook)

Uma das capivaras que vive do Parque Barigui, em Curitiba, morreu na última terça-feira (10) em decorrência de ferimentos causados por outro animal. A suspeita é que a morte tenha sido causada por uma capivara macho dominante ou por cães que ficam soltos no local. O animal chegou a ir ao Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna no Passeio Público com vida, mas não resistiu aos ferimentos.

“Fomos comunicados pela população sobre a situação da capivara. Este grupo de animais é formado por um macho dominante, fêmeas adultas, machos submissos e filhotes. Nesta estrutura familiar, o macho dominante é responsável pela maioria dos cruzamentos do grupo, sendo extremamente agressivo com os demais. Deste modo, os machos de capivaras estão constantemente em brigas violentas, e se este animal foi um macho satélite, sua morte é parte do comportamento de hierarquia natural da espécie e deve ter sido provavelmente causada como conseqüência destas disputas”, explicou em seu perfil na rede social facebook o biólogo Alexandre Biondo, da Prefeitura de Curitiba, levantando uma da hipóteses para a morte da capivara.

Biondo também apontou outra possível causa para a morte da capivara. “Os ataques de cães soltos, com ou sem donos, ocasionando acidentes e mortes frequentes, principalmente em filhotes. Embora as capivaras tenham o instinto de pular para dentro da água na iminência de qualquer ataque, por vezes a pastagem está longe da água e não há tempo hábil para a fuga”, completou.

Por fim, o biólogo explicou um pouco sobre as características das capivaras. “Embora pareçam dóceis, as capivaras são animais selvagens da nossa fauna nativa e se atiram contra qualquer obstáculo quando acuadas, o que torna a sua captura, mesmo machucadas, risco para estes animais e seu grupo. Além disso, se defendem com mordidas e movimentos ferozes. O resgate destes animais pode ser feito pelos especialistas do Zoológico de Curitiba durante o dia, no entanto no período da noite a Polícia Ambiental da Polícia Militar do Paraná que, quando acionada, tem esta função”, concluiu.