O governador Beto Richa assinou decreto que cria a Universidade Virtual do Paraná (UVPR), um programa que organiza a oferta de educação à distância com a participação das sete universidades públicas estaduais e do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). A proposta é ampliar estrategicamente a oferta e o acesso à educação superior, o incentivo à pesquisa, o desenvolvimento tecnológico e a extensão universitária a todas as regiões do Estado.

O projeto prevê que os cursos sejam realizados na modalidade à distância, com o uso de tecnologias da informação e comunicação. A partir da secretaria executiva a ser exercida pelo Tecpar, que vai garantir apoio tecnológico e logístico para a produção, transmissão e desenvolvimento de cursos, programas e material didático, as instituições de ensino superior serão responsáveis pelos conteúdos e pela seleção e avaliação dos cursos e programas oferecidos.

“A criação da universidade virtual faz parte da meta pela excelência no ensino superior, que por sua vez faz parte do plano de governo de Beto Richa”, explica o secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal. A universidade vai garantir a rápida formação de mão de obra necessária ao crescimento e desenvolvimento do Paraná, demanda que vem crescendo com a implantação da Lei da Inovação e do Parque Tecnológico Virtual (PTV), por exemplo.

De acordo com o secretário, a Universidade Virtual é um consórcio das universidades estaduais neste primeiro momento, mas poderá receber, a seguir, a participação das instituições federais. A ideia é consolidar os núcleos de educação distância já existentes em três estaduais – Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unioeste) – e criar esses núcleos nas demais – Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste) e Universidade do Norte do Paraná (UENP).

Alípio Leal disse que a UVPR significa a ampliação estratégica do ensino superior, com o melhor aproveitamento da massa crítica e das competências existentes nas instituições de ensino superior, “no atendimento da demanda reprimida por oferta de vagas e cursos de nível superior em todas as regiões do Estado”.

Com a UVPR não haverá despesas extras de custeio com pessoal, uma vez que os recursos humanos de que as instituições já dispõem serão otimizados, e evitada a duplicação de esforços. O secretário Alípio Leal também explica que a gestão da universidade vai adequar a oferta de cursos às demandas do mercado. Sempre que não houver mais necessidade, um curso poderá ser substituído por outro mais condizente com as necessidades daquele momento.

A implantação da universidade virtual vai dispor de professores das diversas instituições públicas de ensino superior, com base em convênio de mobilidade já existente, em programas interinstitucionais ministrados à distância ou como complementação a programas que oferecem até 20% da carga horária à distância como parte de cursos presenciais, sem custo adicional.