Da Redação

Os bancários de Curitiba recusaram no final da tarde desta segunda-feira (7) a nova proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e continuam em greve. A decisão atende a recomendação do Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, que rejeitou o reajuste de 7,1% nos salários e 7,5% nos pisos.

bancarios-071013-bandab

Foto: Divulgação

Em assembleia realizada no Espaço Cultural e Esportivo do sindicato, mais de 400 bancários consideraram a proposta insuficiente e a rejeitaram por ampla maioria. Com isso, a greve continua nesta terça-feira (8) quando entrará em seu vigésimo dia.

“Consideramos a proposta insuficiente diante do tamanho dos lucros e da rentabilidade dos bancos. Até setores da economia muito menos lucrativos estão fazendo acordos com seus trabalhadores com reajustes salariais maiores. Os bancários estão fazendo a maior greve dos últimos 20 anos e os bancos têm condições de melhorar a proposta”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários.

Reivindicação

A Campanha Nacional dos Bancários 2013, entregue a Fenaban em 30 de julho, reivindica 11,93% de reajuste (com 5% de ganho real), mas aponta como prioridade o fim das metas abusivas e do assédio moral. “Foi a categoria quem decidiu que as questões de saúde e condições de trabalho deveriam ser prioritárias. Os bancários não aguentam mais adoecer e ter que se afastar do trabalho por causa das metas e da pressão pelo seu cumprimento”, justifica Otávio Dias, presidente do Sindicato.