Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento

Vinte e um dias após o desaparecimento da menina Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, o bairro onde a adolescente morava vive momentos de terror, uma vez que os assassinos podem estar soltos. A reportagem da Banda B esteve na tarde desta terça-feira (16) no bairro São Dimas, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, e ouviu os mais vários depoimentos de vizinhos e amigos desse caso que chocou o Brasil durante o último mês. O corpo da adolescente foi encontrado em um poço do bairro no dia 28 de junho e desencadeou um dos casos de maior repercussão do Paraná.

A dona de casa Juvenira dos Santos confirmou o medo, uma vez que todo o caso aconteceu a poucas quadras de casa. “Não sei nem o que dizer sobre tudo isso e não tenho a menor ideia de quem pode ter cometido o crime, mas a expectativa é a de que o verdadeiro culpado seja preso o mais rápido possível”, comentou.

Uma outra moradora, que não quis se identificar, contou da preocupação em mandar os filhos para a escola, principalmente no período da noite. “O bairro está muito assustado, não sabemos como agir já que queremos que nossos filhos apenas cheguem bem em casa”, disse.

Um morador da casa ao lado do poço em que Tayná foi encontrada, chegou a ser interrogado pela polícia por supostamente ter ajudado na ocultação do corpo. “Prestei depoimento, foi feito o exame de sangue, mas não fiz nada e vou provar”, afirmou.