A Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMA) recebeu nesta terça-feira (07) os arquitetos e engenheiros ambientais que vão trabalhar no Sistema SEMA por meio do Programa de Residência Técnica. Durante dois anos, os profissionais serão treinados na área de edificações públicas, com capacitação em projetos e obras públicas.

Os 20 residentes -11 engenheiros ambientais e nove arquitetos – foram divididos para atuar na secretaria e suas autarquias: Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Instituto de Águas do Paraná (Aguasparaná) e Instituto de Terras, Cartografia e Geociência (ITCG). A primeira reunião foi acompanhada pelos supervisores do programa em cada órgão.

O coordenador do Programa de Residência Técnica no Sistema SEMA, Vinício Bruni, fez uma apresentação da secretaria e de suas autarquias, explicando quais são as funções e atividades que cada órgão desenvolve.”Quase todos os profissionais vêm de outras cidades para participar da residência em Curitiba. Isso mostra a boa vontade da equipe e ficamos muito felizes com isso”, comemorou Bruni. Ele explicou que os residentes começarão a atuar em seus novos postos de trabalho na quarta-feira (8) e que a ideia é reunir todos uma vez por mês para que apresentem as atividades que desenvolveram em seus setores.

A arquiteta Tatiana Nasser é uma das residentes da secretaria. Formada há dois anos, ela já trabalhou em construtoras e escritórios de arquitetura e vai participar do programa com o objetivo de conhecer melhor o setor público. “Tenho o plano de prestar concurso para o Exército. Acredito que a experiência em um órgão público será fator decisivo na seleção”.

O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, destacou a contribuição da equipe para os trabalhos da secretaria. “Estes profissionais vêm não só aprender, mas somar e contribuir para o fortalecimento da secretaria e de suas autarquias nas ações de obras e projetos”.

Os residentes vão trabalhar seis horas diárias de segunda a quinta-feira e terão aulas às sextas-feiras – três vezes por mês à distância e uma vez, presencial, totalizando 30 horas aula semanais até fevereiro de 2015, aproximadamente. Eles também vão desenvolver um trabalho de especialização para a rede pública e serão co-autores de todas as atividades que desempenharem.

Cada aluno receberá bolsa de R$ 1.900 mensais. Ao fim do curso, eles receberão certificado de especialização em Gestão de Projetos e Acompanhamento de Obras Públicas e certificado de Acervo Técnico do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR).

PROGRAMA – Além do Meio Ambiente, o Programa de Residência Técnica vai envolver todas as outras secretarias estaduais, Ministério Público e Tribunal de Justiça. Ao todo, são 200 residentes, todos engenheiros ou arquitetos formados há até três anos nas áreas das engenharias Civil, Mecânica, Elétrica, de Produção e Ambiental, além de Arquitetura.

Durante a aula inaugural do programa, que ocorreu na segunda-feira (6), no Museu Oscar Niemeyer, foram apresentadas as ações do Estado em infraestrutura e logísitica, com transmissão ao vivo para os polos de Ponta Grossa, Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel. Estes cinco polos atendem alunos de 40 cidades.

O curso é resultado da parceria entre as secretarias estaduais de Infraestrutura e Logística, Ciência e Tecnologia, e as universidades estaduais de Ponta Grossa, de Londrina e de Maringá, Unioeste e Unicentro, que oferecem o curso de Especialização em Edificações Públicas ofertado a engenheiros e arquitetos.