No dia 13 do terceiro mês do ano de 2013, às sete horas e sete minutos, no horário do Vaticano, a fumaça branca anunciava que estava definido quem era o novo Papa. O nome do escolhido pelos 115 cardeais foi Jorge Mário Bergoglio, que escolheu se chamar Papa Francisco I. O anúncio era esperado por católicos do mundo inteiro e em Curitiba, foi comentado pelo arcebispo da Capital paranaense, Dom Moacyr José Vitti, logo após a celebração de uma missa na Catedral Basílica de Curitiba pela escolha do novo Papa. Dom Moacyr comemorou a escolha do primeiro Papa latino-americano da história.

“Toda a população católica aqui de Curitiba comemorou a escolha de Francisco I. Ele é argentino, por isso nosso vizinho e irmão que conhece a realidade da América Latina e também a do Brasil. Este nome é muito simpático porque como ele mesmo disse na sua primeira mensagem – ‘o esforço para que criar no mundo uma fraternidade’ – é o espírito de São Francisco de Assis.

Dom Moacyr acredita que algumas mudanças devem acontecer, no entanto seguindo a linha iniciada por João Paulo II. “Os tempos atuais já estão exigindo uma renovação até dentro do Vaticano e também nas comunidades, sobretudo no aspecto evangelizador. Penso que Francisco I vai dar uma contribuição muito grande para a evangelização que João Paulo tanto insistiu.

A possibilidade de que a escolha fosse por um Papa brasileiro era grande, no entanto o arcebispo disse que o que importa não é a nacionalidade, e sim a fé. “É claro que o desejo que fosse escolhido um brasileiro existia, mas não é por isso que temos que nos decepcionar, porque o importante é a fé. Jesus Cristo jamais abandona a Igreja e se foi escolhido este Papa é porque o Espírito Santo deveria indicar aos cardeais. Com colaboração da Rede Massa.