Do Jornal Meia Hora

Um casamento nada convencional está provocando curiosidade e protestos na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo. E não é para menos. O aposentado Aparecido Castaldo, de 74 anos e pai de oito filhos, decidiu dar fim à viuvez levando ao altar a sua cabra de estimação, a Carmelita.

A união vai ser celebrada à meia-noite de 13 de outubro, na Igreja do Diabo. Depois que os pombinhos disserem ‘sim’ – palavra que, na língua da noiva, vai virar simplesmente ‘mééééé’ – haverá uma grande festa. Quem dará as bênçãos ao estranho casal será Toninho do Diabo, que explica a escolha da data e do horário da cerimônia: “Dia 14 é o ‘dia das almas’, por isso vamos fazer exatamente na hora da virada de domingo para segunda-feira”.

O pedreiro aposentado mora sozinho e tem argumentos bem fortes para justificar sua decisão, inclusive aos oito filhos (quatro mulheres e quatro homens). “Quando alguém diz que é errado, ele afirma que a cabra não engravida, não fala e não pede dinheiro para fazer compras no shopping”, conta Toninho.

Se a preocupação de Aparecido é não gastar muito em compras, o casamento já vai começar errado. Carmelita deu um prejuízo ao noivo porque comeu o primeiro vestido encomendado para ela subir ao altar. “A culpa foi minha, eu passei uma essência de maçã no véu, isso chamou a atenção dela. Mas já compramos outro”, diz Toninho, que afirma já ter celebrado outro casamento entre um homem e uma cabra.

Quanto à consumação do casamento, Toninho, que se apresenta como o bispo da Igreja do Diabo, garante que não haverá zoofilia (sexo com animal): “Aparecido mora sozinho. Esta não é a primeira cabra que ele tem, porque gosta de animais. Ele só precisa de uma companhia. Não haverá relação sexual entre os dois”.

As informações são do Jornal Meia Hora.