Redação

Dona Isaltina recebe o recibo com doação para Arthur das mãos do diretor da Natuclin, Luiz Antonio Fernandes

Dona Isaltina França, de 74 anos, é, sem dúvida, uma pessoa especial com um coração que nem cabe no peito. Aposentada, ela mora com o marido de 79 anos em uma casa simples de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. Vive com a pequena aposentadoria do INSS e passa por dificuldades como a maioria dos brasileiros. Ainda assim, foi só dona Isaltina conhecer a história do pequeno Arthur Lader, de um ano e oito meses, para ter a certeza que precisava ajudar. Arthur nasceu uma doença degenerativa de origem genética que promove a perda gradual dos movimentos voluntários e involuntários do corpo. Ele precisa de um tratamento fora do país que custa cerca de R$ 2 milhões. Foi então que esta aposentada de 74 anos fez uma promessa.

“Eu comprei produtos da Natuclin ouvi na Rádio Banda B e vi que poderia ganhar R$ 1 mil num sorteio. Eu tinha acabado de ficar sabendo da história do Arthur, tadinho, que precisa desse tratamento caro. Foi então que fiz a promessa que, se ganhasse o prêmio, iria doar tudo pra ele. E Deus me ouviu”, disse Isaltina.

A ouvinte da Banda B foi a segunda sorteada da promoção Volta às aulas da Natuclin. Ficou sabendo que tinha sido a ganhadora por telefone, ao vivo, no Jornal da Banda B desta terça-feira (7), com Paulo Sérgio Debski. “Eu estava lavando roupa, às 7 horas da manhã, quando o telefone tocou. Era o Paulinho da Banda B. Fiquei muito feliz e na hora já falei da promessa, que todo o prêmio iria para o Arthur”, disse.

Entrega

A entrega do recibo com o depósito na conta da família de Arthur e da mochila que faz parte da promoção foi feita na manhã desta quarta-feira pelo diretor-geral da Natuclin, Luiz Antonio Fernandes, que também estava emocionado, assim como dona Isaltina. “Chegamos aqui e vimos a casa simples da dona Isaltina e não tem como não se emocionar com um gesto tão bonito como esse. Ela deixou claro que não queria nem ver o dinheiro, que era pra gente fazer o depósito na conta da família do Arthur. Viemos aqui com o depósito de R$ 1 mil na conta da campanha e trouxemos o recibo pra ela. Uma felicidade imensa”, contou Fernandes.

Dona Isaltina, que é mãe de quatro filhos, disse que a alegria de ajudar é até maior que a de receber um dinheiro desse. “Claro que precisamos de dinheiro, mas o Arthur está precisando muito mais e, por isso, minha alegria não cabe no peito de Deus ter ouvido minha promessa pra poder ajudar este menino. Tenho certeza que ele vai se curar”, completou.

Isaltina França foi a segunda ganhadora da promoção Volta às Aulas para clientes da Natuclin. Nesta semana, acontece o terceiro e último sorteio com o prêmio de R$ 1 mil e uma mochila.

Arthur precisa do tratamento que custa R$ 2 milhões

Drama do Arthur

O pequeno guerreiro Arthur Lader, de um ano e oito meses, trava uma luta diária contra o tempo. Ele nasceu com Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 1, uma doença degenerativa de origem genética que promove a perda gradual dos movimentos voluntários e involuntários do corpo.

Por causa do problema, que foi diagnosticado quando Arthur tinha seis meses, o bebê usa um respirador o tempo todo e se alimenta por uma sonda. O único modo encontrado pelos pais de melhorar a qualidade de vida do menino é tratá-lo fora do país e usar um medicamento chamado Spinraza-Nusinersen, liberado pelos Estados Unidos. O custo de tudo isso, no entanto, é de R$ 2 milhões.

“Desde que descobrimos a doença, a única coisa que fizemos foi melhorar a vida dele, porque não havia nenhuma esperança para cura, nada que pudesse ser feito. Com a aprovação desse remédio, abriu-se uma possibilidade. Infelizmente, no Brasil nós não temos nenhuma chance”, contou Rafaela Lader, mãe de Arthur, em entrevista à Banda B.

Como os pais têm dupla cidadania, brasileira e italiana, eles se preparam para levar o filho para o país europeu. “O tratamento em si nós não precisamos pagar, mas o hospital sim, como não moramos lá. Fizemos as contas e sabemos que o custo anual do tratamento vai ficar em cerca de R$ 2 milhões, incluindo os equipamentos e profissionais necessários”, completou Rafaela.

Sem condições de arcar com todo esse valor, a família curitibana resolveu criar diversas ações para arrecadar dinheiro. “Nós vendemos camisetas, rifas, vamos em breve fazer um bingo e comercializar novos produtos, como canecas e cadernos. Também abrimos uma vaquinha online para receber doações. Como a doença é degenerativa, cada dia que passa o quadro do meu filho piora, por isso estamos lutando contra o tempo”.

Quem quiser ajudar o pequeno Arthur pode conferir todas as ações da família pela página no Facebook “Juntos pelo Arthur – AME tipo 1”ou acessar a vaquinha online aqui.

Notícia Relacionada: