Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento

professores2

Foto: Joka Madruga – APP-Sindicato

Após seis dias de greve, os professores e funcionários da rede estadual de ensino decidiram suspender a greve no final da tarde desta terça-feira (29). Em assembleia que reuniu cerca de 4,2 mil pessoas, os trabalhadores decidiram por ampla maioria a suspensão da paralisação. O retorno as aulas acontece na segunda-feira (5) devido ao feriado do Dia do Trabalho. Com a suspensão, os professores seguem aguardando a posição do Governo do Estado e podem entrar em greve novamente a qualquer momento caso seja descumprido o acordo.

A última proposta do governo aconteceu no início da tarde de hoje e a APP-Sindicato já indicava avanços. Entre as propostas está a aplicação do índice da data-base, estimado em 6,5% para em maio. Aumento real para os funcionários; a elevação do auxílio-transporte ao patamar do que recebe um professor por 20 horas, isto é, passando de R$ 250 para R$ 340; e garantia de que nenhum funcionário público tenha o salário-base inferior ao valor do Salário Mínimo Regional.

Sobre a hora-atividade do professor, o governo pagará, em dinheiro, o valor correspondente até em agosto. E implementação, definitiva, na distribuição de aulas em dezembro de 2014. Já sobre as progressões em atraso, a proposta aceita o pagamento das progressões em três vezes, sendo a primeira em junho, a segunda em agosto e a terceira em novembro.

Hoje, cerca de dez mil professores e funcionários lotaram as ruas do Centro de Curitiba para pressionar o governo. O acampamento em frente ao Palácio Iguaçu deve ser desmontado nas próximas horas.