Um caso de meningite viral e outra suspeita preocupam os pais que têm filhos na Creche Maria de Jesus Ferreira, no bairro Rondinha, em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba. Na semana passada, de acordo com os responsáveis pelo local, a creche ficou fechada por dois dias para inspeção da Vigilância Sanitária de Campo Largo. Nesta semana, as aulas já acontecem normalmente.

Em entrevista à Banda B, nesta terça-feira (26), um pai que tem dois filhos na creche demostrou preocupação. “Tenho dois filhos e fico preocupado com o que está acontecendo, porque não temos muitas informações. Sabemos que uma criança teve a doença e outra está internada com suspeita. Fico inseguro de levar minhas crianças lá”, reclamou o ouvinte.

Os responsáveis pela creche confirmaram um caso de meningite viral e reforçaramque este é o tipo menos grave da doença, que também pode ser bacteriana. Foi informado à reportagem que a Vigilância Sanitária está acompanhando o caso de perto. Inclusive, a criança que ficou internada já recebeu alta e voltou às aulas. Já a outra criança, que supostamente estaria com meningite, segue internada no Hospital Infantil de Campo Largo.

A Banda B entrou em contato com a vigilância que confirmou o acompanhamento ao caso, no entanto, a responsável negou que tenha pedido o fechamento da creche por dois dias.Quem tiver dúvidas sobre como está a situação na creche pode entrar em contato com a Vigilância Sanitária de Campo Largo pelo telefone: 3291-5193.

Entenda a diferença entre os dois tipos de meningite (Fonte Portal do Dr.Drauzio Varella):

Meningites virais

Nas meningites virais, o quadro é mais leve. Os sintomas se assemelham aos das gripes e resfriados. A doença acomete principalmente as crianças, que têm febre, dor de cabeça, um pouco de rigidez da nuca, inapetência e ficam irritadas. Uma vez que os exames tenham comprovado tratar-se de meningite viral, a conduta é esperar que o caso se resolva sozinho, como acontece com as outras viroses.

Meningites bacterianas

As meningites bacterianas são mais graves e devem ser tratadas imediatamente. Os principais agentes causadores da doença são as bactérias meningococos, pneumococos e hemófilos, transmitidas pelas vias respiratórias ou associadas a quadros infecciosos de ouvido, por exemplo.

Em pouco tempo, os sintomas aparecem: febre alta, mal-estar, vômitos, dor forte de cabeça e no pescoço, dificuldade para encostar o queixo no peito e, às vezes, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Esse é um sinal de que a infecção está se alastrando rapidamente pelo sangue e o risco de septicemia aumenta muito. Nos bebês, a moleira fica elevada.