Por Elizangela Jubanski

A União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (UPES) informou no fim da tarde desta segunda-feira (1º) que interrompeu completamente o processo de confecção de carteiras de estudantes desde a abril deste ano, deixando abertos apenas os processos que já estavam em andamento até a entrega das carteiras que foram feitas antes desta data. A nota oficial da instituição foi divulgada após a denúncia de pais de um colégio estadual no bairro Campo Comprido, em Curitiba, de que a UPES estaria aplicando golpe nos estudantes. A notícia foi divulgada pela Rádio e Portal Banda B nesta segunda-feira (1º). Segundo os pais, dois funcionários da UPES foram até a escola, arrecadaram cerca de R$ 1,2 mil dos alunos e não voltaram mais.

A UPES alega que também está sendo vítima de pessoas que estão se passando por representantes da União para arrecadar dinheiro de alunos das escolas de todo o Paraná. Um colégio particular também informou à Banda B que foi procurado por dois homens com toda a identificação da UPES, que depois descobriu-se ser falsa. No entanto, a direção disse que não autorizou a emissão assim que identificou o golpe e interrompeu o processo com os alunos.

Já os alunos dessa escola no bairro Campo Comprido foram vítimas do golpe e aguardaram cerca de três meses para ter uma resposta oficial da UPES. Segundo a denúncia do presidente da Associação dos Pais e Mestres, Jeferson Alfini, várias tentativas foram feitas para conversar com representantes – os verdadeiros – da UPES, mas em vão. “Deixaram a gente sem saber de nada”, reclamou.

A Secretaria de Educação, segundo a UPES, também teria sido foi informada sobre a interrupção das confecções das carteirinhas na entidade. Entretanto, para que o prejuízo seja minimizado, de acordo com a UPES, um ressarcimento está sendo feito aos alunos vítimas das carteirinhas falsas. Essa devolução estaria sendo feita com a ajuda de parceiros, mas, mesmo assim, a instituição diz que “pela difícil situação financeira da entidade, não está mais dando conta de ressarcir a todos”.

A nota oficial finaliza com a informação de que a UPES busca alternativas jurídicas para impedir que outras vítimas sejam lesadas. Hoje, no Paraná, as entidades que estão autorizadas a prestar esse serviço aos alunos do Estado são: a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Associação Nacional dos Pós Graduandos (ANPG) e entidades estaduais, municipais e de base afiliadas e devidamente credenciadas.

Clique aqui e leia a nota na íntegra divulgada pela UPES.

Notícias relacionadas:

Pais de alunos de escola estadual acusam UPES de arrecadar dinheiro para carteirinhas e sumir