Redação

sc-dentro

Fumaça tóxica obrigou moradores a deixar casas. Foto: Fábio Santos/Divulgação

O combate ao incêndio de grande proporção que atinge há mais de 30 horas um depósito de fertilizantes, em São Francisco do Sul, em Santa Catarina, está sendo feito com cerca de 200 homens dos bombeiros, Exército, Marinha e policiais ambientais. Um novo equipamento está sendo usado para dispersar a fumaça: ventiladores gigantes. Além do ventilador, outro equipamento, trazido de Paranaguá, no Paraná, auxilia no combate por conseguir jogar água dentro dos materiais em combustão. O fogo começou por volta das 23h de terça-feira (24) e ainda não foi controlado. As informações são da Folha de S. Paulo.

O objetivo principal é ajudar a desviar a fumaça para aqueles profissionais que estão combatendo as chamas. Dois bombeiros ficaram feridos devido ao contato com a fumaça, que mudou de direção e os pegou de surpresa. Um deles permanece internado, mas sem risco de morte. Com o desvio da fumaça bombeiros e policiais conseguem fazer a retirada do restante de fertilizantes que ainda estão no galpão e ameaçam o combate.

Havia 10 mil toneladas de fertilizantes à base de nitrato de amônia no local. Apenas 10% do material foi retirado até a noite de hoje, segundo estimativa dos bombeiros. O trabalho é feito com retroescavadeiras, cedidas pela prefeitura, governo estadual e pela empresa proprietária do galpão, a Global Logística.

Fumaça


O governo de Santa Catarina decretou situação de emergência em São Francisco do Sul, depois da explosão da fábrica de fertilizante à base de nitrato de amônia. O acidente com a carga aconteceu na madrugada de terça. Cerca de 380 famílias foram retiradas de casa e deslocadas para abrigos. A orientação é para que as pessoas mantenham distância da área no raio de, pelo menos, um quilômetro.

“A amônia, por si só, é considerada estável. Caso aquecida, pode se tornar explosivo. Por isso, decidimos resfriar a área e manter a população distante do local do acidente”, explica o bombeiro Geovane Matiuzzi, especialista em produtos perigosos. Matiuzzi também esclarece que os efeitos do gás que se forma com a combustão do nitrato de amônio podem ser comparados aos do gás lacrimogêneo. “Por conta disso, não é considerado letal quando inalado”, diz o Major.

O Corpo de Bombeiros ainda alerta que a saúde pode ser comprometida em caso de inalação direta e em grande quantidade.

Como a fumaça produzida pela combustão é branca e alaranjada, é possível verificar as maiores áreas de risco. “O que as pessoas sentem é irritação na mucosa e tosse, sintomas considerados comuns em qualquer evento com fumaça em demasia”, explica o coronel Marcos Oliveira, do Corpo de Bombeiros.

A Marinha do Brasil distribuiu máscaras para a população ainda durante a madrugada, como forma preventiva, já que as consequências do acidente não tinham sido apuradas. O secretário de Estado da Defesa Civil, Milton Hobus, acompanha a atuação da força-tarefa e atendimentos médicos são realizados na região.