Por Marina Sequinel, Juliano Cunha e Marco Piza

(Fotos: Juliano Cunha – Banda B)

Alunos lesados pelas autoescolas AlphaVille Matriz e Filial, localizadas em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, se reuniram para protestar na tarde desta terça-feira (21) em frente a uma das sedes, no bairro Alto Maracanã. Segundo eles, mesmo com a matrícula paga, os serviços não foram prestados adequadamente, já que as instituições foram fechadas.

“Muitos alunos aqui sofreram o golpe. Eu fiz a minha matrícula e paguei à vista, mas a autoescola fechou da noite para o dia. Falaram que vão nos realocar, mas até agora nada. Eu só quero o meu dinheiro de volta”, desabafou Everaldo, um dos estudantes lesados, em entrevista à Banda B.

Outra aluna afirmou que pagou R$ 1,6 mil reais para tirar a primeira carteira de habilitação, para carro e moto, em agosto do ano passado. Mas, até agora, não conseguiu se formar como condutora. “Eu fiz a prova teórica, passei, eles enrolaram e enrolaram e, finalmente, consegui fazer a prova prática. Acabei reprovando e, quando fui remarcar o exame, me disseram que o carro estava estragado e que eu não poderia fazer nada. Ninguém me deu resposta até hoje. O prazo já venceu no Detran e eu estou aqui”, completou Itamara.

Delair do Rocio também pagou a matrícula à vista, no valor de R$ 1,3 mil. Ela fez as aulas teóricas normalmente, mas quando entrou nas práticas, os problemas começaram. “Eu liguei lá, mas eles só me enrolaram. Disseram que mudaram de telefone e tudo mais, só que eu nunca consegui contato direito. Eles abandonaram mais de 20 alunos”, afirmou. Para Geovane dos Santos, tirar a primeira habilitação também virou pesadelo. Ele começou a pagar as mensalidades há dois meses, também R$ 1,3 mil, e não teve nenhum retorno. “Eu não fiz nada até agora e quero o meu dinheiro de volta. É o mínimo que eles podem fazer. Nós estamos revoltados”, concluiu.

Todos os alunos lesados foram convidados a ir até outra autoescola para continuarem as aulas do ponto onde pararam. Este local, que seria administrado por uma das sócias das instituições fechadas, no entanto, ainda não atendeu ninguém, de acordo com os estudantes.

Resposta da autoescola

A Banda B entrou em contato com Rosilda de Lima, administradora da autoescola para a qual os alunos lesados seriam realocados. Ela negou o golpe e explicou que uma discussão entre os sócios da AlphaVille Matriz e Filial resultou nos fechamentos. “Devido a esse desentendimento, a autoescola entrou para ajudar na transferência dos estudantes. Ninguém será prejudicado, todos serão atendidos. Até mesmo carros da AlphaVille chegaram a ser emprestados de um local para o outro. Ninguém será deixado na mão”, declarou.

Ela também negou que há algum tipo de relação entre as autoescolas fechadas e a da realocação. Entretanto, fotos tiradas pela reportagem mostram que, nos recibos dos pagamentos dos alunos, o nome dessa nova instituição também aparece.

Nota do Detran

O que chama a atenção e causa um novo imbróglio na situação é que, por meio de nota, o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) informou que a autoescola para qual os alunos da AlphaVille foram realocados não pode atender ninguém. Segue a nota na íntegra:

“Sobre a situação da autoescola para a qual os alunos seriam transferidos, o Departamento de Trânsito do Paraná esclarece que a empresa está bloqueada por problemas com veículos e infraestrutura.

Os alunos podem solicitar a mudança de Centro de Formação de Condutores na unidade do Detran mais próxima.

As aulas práticas com presença confirmada serão reaproveitadas na nova autoescola. As aulas teóricas, que são divididas em módulos, também não serão perdidas – desde que constem como disciplina concluídas no sistema do Detran.

Como a relação entre empresa e aluno é comercial, o Departamento orienta para que aqueles que foram lesados procurem o órgão de defesa do consumidor, o Procon, para recuperar os valores pagos pelos serviços não prestados.”