Antes mesmo de a bola rolar pelo Campeonato Paranaense de Futebol, o Coritiba era apontado como o melhor time, logo, favorito ao título. E não deu outra: a equipe comandada pelo competente técnico Marquinhos Santos sagrou-se campeã paranaense de 2013, chegando ao tetracampeonato.

Essa conquista, entretanto, não foi tarefa fácil para o comandante alviverde que, por várias vezes, teve o trabalho dele questionado, mesmo quando venceu o primeiro turno de maneira invicta. Era um desgaste emocional desnecessário. Mas tudo isso está no preço, não é mesmo, Marquinhos? Que respeitem a partir de agora! Ainda há tempo.

Por outro lado, jogadores do Alto da Glória sempre tiveram confiança no trabalho realizado pelo treinador. Essa credibilidade, atribuída ao técnico do Verdão, partiu, principalmente, do melhor de todos – o meia atacante Alex .

Esse capitão, aliás, foi fundamental para a conquista do campeonato em questão, pois, quando foi necessário, chamou a responsabilidade para si, fez alguns gols, inclusive, na comemoração de um deles, foi ao encontro do treinador para um abraço de reconhecimento do trabalho realizado, significando ainda solidariedade, cumplicidade pelos momentos difíceis vividos por Marquinhos, resultado da incompreensão técnica de alguns desavisados. Esse abraço do Alex fortaleceu muito o comandante que teve tranquilidade para encarar a demanda e chegar merecidamente à primeira conquista na categoria profissional. Agora, é vida que segue!

Sem tempo para grandes comemorações, amanhã, pela Copa do Brasil, o Coritiba vai encarar o Nacional-AM. Se mantiver o futebol que apresentou, no segundo tempo, na vitória contra o Atlético, ganha a partida, incontestavelmente. É isso.