Os quinze mil torcedores do Coritiba que compareceram ao Couto Pereira, para assistiram ao amistoso do time coxa-branca, o qual ficou no empate de 1×1 contra o Cólon – equipe argentina – certamente ficaram satisfeitos com o desempenho do meia Alex.

Ora, esse atleta estava sem jogar há quatro meses – o que normalmente prejudica a capacidade produtiva de qualquer jogador. Esse tempo de inatividade, no entanto, não foi atrapalho para o talentoso jogador, que foi o melhor em campo, indiscutivelmente. E mais: só não fez gols pelas grandes intervenções do goleiro argentino e a resistência da trave.

Essa postura do Alex ligada à concepção de jogo como produto de uma linguagem esportiva, que tanto o torcedor admira e aplaude não me surpreendeu, pois além de boa condição física, a técnica que o constitui permanece invejável.

Acredito, porém, que o rendimento dele (considerando neste momento a necessidade do Coritiba) será ainda melhor, se o treinador Marquinhos Santos posicioná-lo mais próximo do atacante Deivid. É apenas uma sugestão. Nada mais que isso.

Quanto ao restante do time, vou priorizar a atuação do goleiro Vanderlei, pois foi o que mais se destacou, fazendo boas defesas, impedindo um resultado favorável aos los hermanos argentinos.

Enfim, esse foi o primeiro jogo da equipe considerada titular e, certamente, na seqüência, com maior entrosamento do grupo alviverde, a tendência será de uma equipe forte, competitiva. É isso.