O próximo sábado, dia 18 de maio, é o Dia Nacional de Combate à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes e para conscientizar a população dos abusos, o Hospital Pequeno Príncipe divulgou dados preocupantes nesta quinta-feira (15). Segundo o hospital, dos 315 casos suspeitos de violência contra crianças e adolescentes atendidos em 2012, 72% (227 atendimentos) são agressões sexuais, sendo 168 a meninas e 59 a meninos..

A faixa até cinco anos de idade concentra a maioria dos casos com 55,95% das ocorrências – equivalente a 127 crianças. O que mais impressiona é que a faixa entre dois e três anos reúne 70 crianças abusadas.

Em relação à natureza das agressões sexuais, a maior parte dela acontece dentro de casa, aproximadamente 60% dos casos (135), enquanto as extrafamiliares totalizam 30% (69). O levantamento aponta em primeiro lugar como possível agressor o pai da criança ou do adolescente. Nas estatísticas do Hospital, 14,54% (33 casos) têm pais como principais suspeitos; amigos ou conhecidos aparecem com 11,89% (27 ocorrências); seguidos por primos e tios, empatados com 9,25% (21 casos).

Campanha

Por ser referência no atendimento às crianças vítimas de violência sexual e maus-tratos em Curitiba e na região metropolitana, o Hospital Pequeno Príncipe realiza, desde 2006, a Campanha Pra Toda Vida – A Violência Não Pode Marcar o Futuro de Nossas Crianças. O objetivo dessa iniciativa é contribuir com a redução dos casos de maus-tratos registrados no Brasil, por meio da capacitação de profissionais de saúde e de educação para reconhecer e denunciar casos de violência. Da mesma forma, visa a orientar as crianças sobre seus direitos e como se proteger, além de estimular as denúncias por parte da sociedade. O papel de mobilizador social faz parte da história do Complexo Pequeno Príncipe.

Este ano, para marcar a data, o Complexo Pequeno Príncipe (Hospital, Instituto de Pesquisa e Faculdades) desenvolverá a ação “Mude o rumo de uma história: denuncie a violência infantojuvenil”. Entre os objetivos estão impactar o maior número possível de pessoas sobre a questão de maus-tratos contra a criança e o adolescente, gerar mobilização e comprometimento da sociedade em prol dessa causa, divulgar as formas de violência, explicar a importância da denúncia, divulgar os canais e estimular a denúncia.

O Hospital ainda participará de uma audiência pública para debater o enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes no Paraná durante a Copa do Mundo. O encontro, promovido pela Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) e pelo Fórum Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fórum DCA/PR), será realizado amanhã, dia 15, das 9h às 12h, no Plenarinho da Assembleia Legislativa.

No dia 17, a diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro, e a coordenadora de Relações Institucionais, Paula Baena, participarão do II Seminário Municipal de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes em Curitiba. Na oportunidade, também será distribuído o Manual Enfrentamento dos Maus-Tratos Contra a Criança e o Adolescente. Esse material foi produzido pelo Complexo para auxiliar profissionais da saúde, professores, entre outros que têm contato frequente com crianças e adolescentes, a identificar e classificar os tipos de violência, orientando para a denúncia.

E no dia 20, durante a Palestra de Ação de Enfrentamento e Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, Paula Baena abordará o Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil no Território Brasileiro e o papel do Comtiba.