A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) homologou um reajuste de 6,25% nas tarifas do ferryboat para a travessia entre Guaratuba e Matinhos. O novo valor que passou a vigorar partir desta segunda-feira (04/03) é de R$ 5,10 por eixo. A tarifa anterior era de R$ 4,80.

A recomposição anual da tarifa está prevista em contrato, e toma como base o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Antes da aprovação do reajuste anual, o processo de cálculo e do equilíbrio financeiro do contrato passou por análise técnica do Departamento de Estradas de Rodagem (DER).

No final do ano passado, o Governo do Paraná determinou uma redução de 18,64% na tarifa então cobrada, em função do atraso de investimentos previstos em contrato, conforme acordo entre o DER e o Consórcio da Travessia de Guaratuba. Caso o valor antigo estivesse vigorando, a tarifa atual chegaria a R$ 6,30.

Na repactuação dos valores, foram readequados os prazos para que a concessionária cumpra as metas. A empresa tem 12 meses para recuperar flutuantes, renovar as pontes de acesso e modernizar as embarcações.

Estão programadas a ampliação da capacidade das balsas dos atuais 48 para 60 veículos por barcas, melhorando o atendimento dos mais de um milhão de usuários que usam anualmente o serviço de ferryboat. Também há necessidade de colocação de cadeiras e cobertura para as pessoas transportadas nas embarcações.

Agepar – A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (www.agepar.pr.gov.br) foi criada em 2002 e regulamentada em 21 de novembro de 2012. Seu objetivo principal é atender o interesse público, por meio da regulação, normatização, controle, mediação e fiscalização dos serviços de infraestrutura concedidos no Paraná, entre eles as rodovias concedidas, o transporte rodoviário coletivo intermunicipal de passageiros e o transporte por ferryboat.

A Agência pode indicar metodologias de cálculos de custos e planos de investimentos atuais e futuros dos serviços públicos concedidos. Os reajustes tarifários dos serviços sob sua regulação, além de licitações e contratos futuros serão sempre avaliados pela Agência e terão de ser homologados por ela antes de entrar em vigor.