Por Felipe Ribeiro e Luiz Henrique de Oliveira

[jwplayer mediaid=”112698″]

O advogado Yvan Gomes Miguel, que defende o pai do menino atacado por um tigre em Cascavel, na região oeste do estado, afirmou na tarde desta segunda-feira (4) que irá processar a prefeitura do município, que é a responsável pela administração do zoológico Danilo Galafassi. Em entrevista à Banda B, o Miguel disse que a defesa só aguarda a formação da prova por parte da Polícia Civil, já que entende que a responsabilidade é exclusiva do zoológico.

tigre-menino (1)

Foto: Reprodução Catve.tv

“O zoológico estava de acordo com as normas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mas isso não o inibe da culpa penal e civil. Se compararmos com um acidente de trânsito, é como se um motorista bêbado invadisse a calçada a 200 Km/h, atropelasse alguém e alegasse que o carro está licenciado”, disse. (Ouça o áudio no ícone acima)

Questionado sobre os vídeos que mostram uma possível negligencia por parte do pai, o advogado disse que o código penal define “quem deu causa ao crime” e toda a doutrina jurídica diz que chegamos a quem deu causa através de uma eliminação hipotética. “Se fosse uma criança, alguém alcoolizado ou um deficiente mental no local do crime e o zoológico tivesse uma proteção eficaz, isso não ocorreria. Então a causa decisiva foi a falta da barreira no zoológico”, afirmou.

A Prefeitura de Cascavel informou que não irá se manifestar sobre a responsabilidade jurídica no caso, já que entende que o zoológico atende as normas de segurança estabelecidas pelo Ibama e não possui responsabilidade no incidente envolvendo o tigre e o menino.

Notícia Relacionada:

Tigre que mordeu menino de 11 anos volta a ficar exposto para visitação