Os Centros de Atenção Psicossocial de Curitiba (Caps) Álcool e Drogas, localizados nos bairros Portão e Cajuru vão atender 24 horas por dia, todos os dias da semana. O novo horário de funcionamento entrou em vigor neste sábado (6) e amplia de forma significativa a atendimento prestado nas duas unidades.

Os dois CAPs são as primeiras unidades de atendimento a adultos usuários de álcool e drogas a funcionar em período integral. O Caps Centro Vida, no Portão, que já funcionava em tempo integral é voltado ao atendimento a crianças e adolescentes.

“Melhorar a estrutura para poder ampliar os horários de atendimento é permitir principalmente para a população mais vulnerável ter um ponto de referência, um ponto de apoio e atendimento a qualquer hora do dia e da noite”, afirma o prefeito Gustavo Fruet que visitou a unidade do Portão na manhã deste sábado, acompanhado pelo secretário municipal da Saúde, Adriano Massuda. O prefeito reafirmou como ação prioritária da atual gestão o aumento da capacidade e qualidade de atendimento em saúde, o que inclui o aumento no número de leitos e maior articulação com as entidades terapêuticas.

Ao todo, serão 21 vagas para acolhimento noturno no serviço de saúde mental, sendo 12 no Caps AD III Cajuru e nove no Caps AD III Portão. Cada um destes serviços registra uma média mensal de 200 atendimentos. Além da infraestrutura, a equipe de assistência à saúde também ganhará reforço, com a contratação de mais enfermeiros e auxiliares de enfermagem.

O secretário Adriano Massuda explicou que o horário integral representa o aumento de 36 leitos para este atendimento nos primeiros 100 dias da gestão atual. Esta ação, disse o secretário, enfrenta a limitação de leitos para saúde mental existente em Curitiba. Ele explicou que além do fortalecimento da Rede de Saúde Mental será ampliada a integração com a Rede de Urgência e Emergência. “Hoje, um paciente que chegar em crise a uma unidade de urgência e emergência, será atendido, estabilizado e encaminhado para o CAPS, a qualquer hora”. Os pacientes também podem procurar diretamente o Caps.

Outra boa notícia para a saúde em Curitiba é a previsão de ampliação em 50 novos leitos para psiquiatria em hospitais gerais, ainda neste ano, com apoio do Ministério da Saúde.

Ações
Uma das primeiras ações da atual gestão foi a avaliação da rede de saúde mental da cidade que se mostrou insuficiente para atender à demanda, o que resultou numa ação rápida para a abertura de vagas para acolhimento noturno nestes dois Caps juntamente com a ampliação do horário de atendimento.

O próximo passo, explica o secretário de Saúde, é chegar ao morador de rua, através dos Consultórios de Rua, que vão começar a funcionar em breve. “Grande parte dessa população é usuária de drogas e de álcool e dificilmente procura uma unidade de saúde para atendimento, seja por motivos decorrentes da dependência química ou por outros motivos de saúde. Com os consultórios móveis, os profissionais de saúde é que vão até essa população”, afirma.

Transtorno mental
Ainda neste semestre, será aberto um novo serviço que funcionará 24 horas, sete dias por semana, no bairro Boqueirão, destinado ao atendimento de pacientes com transtorno mental. O Caps contará com 11 vagas para acolhimento noturno e capacidade para atender até 420 usuários por mês.

Os Caps Bigorrilho e Boa Vista também passarão a funcionar em período integral para atender usuários de transtorno mental, cada um com dez vagas para acolhimento noturno. “Essa mudança permite que usuários em crise sejam atendidos, durante a noite ou nos finais de semana, pela mesma equipe de referência que os atende diariamente”, explica o diretor do Centro de Assistência à Saúde da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba, Marcelo Kimati.

O objetivo é que nos próximos quatro anos, cada uma das nove regiões da cidade conte com pelo menos um Caps para atendimento a usuários de álcool e drogas e um Caps para atendimento aos portadores de transtornos mentais, com uma média de 45 vagas de acolhimento noturno para os dois serviços.

A partir desta segunda-feira (8), os Centros Municipais de Urgências Médicas (Cmums) contarão com uma interconsulta psiquiátrica aos pacientes da saúde mental, sejam eles portadores de transtornos ou usuários de álcool e drogas. “Essa ação pretende qualificar o atendimento nas unidades de urgência e emergência e aumentar o fluxo dos pacientes entre essas unidades e os Caps”, informa Kimati.