A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) assina nesta terça-feira (14) convênio com a Justiça Federal do Paraná para troca de informações entre as duas entidades, buscando a transparência e o aprimoramento das práticas administrativas.

O superintendente Luiz Henrique Dividino explica que, pelo convênio, a Appa melhorar métodos e processos no que diz respeito às contratações públicas, controle patrimonial, gestão de pessoas e sistemas informatizados de automação administrativa. “No momento em que os Portos de Paranaguá realizam o maior programa de investimentos em ampliação e recuperação dos seus ativos operacionais, é fundamental preventivamente aperfeiçoar nossos processos”.

Muitos processos de licitação terminam no Poder Judiciário por conta de impugnações. “Na área de licitações, queremos agregar conhecimento de forma que os processos sejam concluídos sem nenhum questionamento, seja na fase administrativa, seja no Poder Judiciário”, afirma Dividino.

Em contrapartida, a Justiça Federal oferece equipe de trabalho com conhecimento amplo nas áreas a serem abordadas. A entidade entregará modelos de documentos usados em contratações em geral, controle patrimonial e gestão de pessoas.

“É dever da Justiça partilhar toda informação, conhecimento e tecnologia que são de domínio público”, afirmou o diretor do Foro da Justiça Federal no Paraná, Friedmann Anderson Wendpap. “Com plena transparência, sempre em busca da excelência nos processos administrativos, estamos cumprindo o nosso dever ao investir, constantemente, na qualificação dos servidores, no aprimoramento da administração e em tecnologia”.

TRANSPARÊNCIA – Para o público, as informações da Appa estão disponíveis no link transparência, no site dos Portos do Paraná (www.portosdoparana.pr.gov.br), desde o ano passado, como determina a Lei da Transparência (lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011). Um link Transparência Pública também está disponível para acesso no site da JFPR (www.jfpr.gov.br).

Qualquer informação que não constem nos respectivos sites pode ser solicitada por todo e qualquer interessado. Como traz a legislação, se os órgãos públicos não puderem atender de imediato, têm prazo de até 20 dias para fornecer a informação.