Redação

No segundo dia de greve dos professores da rede municipal de ensino em Curitiba uma nova reunião acontece nesta terça-feira (12) na Câmara dos Vereadores, na Praça Eufrásio Correia, no centro da cidade. Alguns professores já estão concentrados em frente à Câmara. A categoria quer emendas do projeto de lei que estabelece o Plano de Carreira. Não houve acordo no primeiro dia de negociação e a greve continua. Entretanto, um balanço oficial da Prefeitura de Curitiba revela que a adesão dos professores enfraqueceu neste segundo dia, já que aumentou o número de escolas abertas na cidade.

A prefeitura informou que, nesse segundo dia, 72% das escolas municipais estão funcionando total ou parcialmente. Apenas 28% estariam fechadas, segundo o balanço divulgado. No primeiro dia, aproximadamente 50% das 184 escolas da rede municipal de Curitiba funcionaram normalmente pela manhã. O Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) informou que ainda não tem balanço da adesão neste segundo dia.

Professores e gestores municipais não chegaram a um acordo na tarde de ontem, primeiro dia de greve, por isso, a categoria decidiu manter a paralisação. O principal motivo para a greve é o prazo para implantação integral do novo Plano de Carreira. Eles pedem que o plano seja implementado a partir de 2015, mas o prefeito Gustavo Fruet afirmou que a implantação vai acontecer ao longo de 24 meses. Reivindicação antiga, o novo plano garante ao profissional do magistério melhor remuneração e crescimento linear por titulação e valorização.

De acordo com o balanço oficial da Prefeitura, o movimento de professores da rede municipal de ensino que participam da greve tem adesão de 36%. A Secretaria Municipal da Educação aponta que, dos 5 mil professores do turno da manhã, 1.829 não compareceram ao trabalho. “O dado revela queda no movimento grevista de aproximadamente 14% em relação à manhã de ontem quando 2.526 professores (50% do turno da manhã) estavam fora das salas de aula”, diz a nota.

 Notícias relacionadas

Professores e prefeitura não chegam a acordo e categoria decide manter greve