Redação com TV Tarobá

Imagem de Gonçalves saindo do prédio da vítima após o crime – Reprodução Tv Tarobá

Foi condenado a 18 anos de prisão em regime fechado, Jeferson Diego Gonçalves (33), acusado de matar a estudante da Unila, em Foz do Iguaçu, Martina Piazza Cone, de 26 anos, em março de 2014. Ele foi julgado na tarde desta quinta-feira (30) pelo Tribunal do Júri. O crime aconteceu em um prédio no centro da cidade. O resultado saiu em menos quatro horas de julgamento.

Martina foi morta aos 26 anos – Foto: Arquivo pessoal

Dois agravantes fizeram a pena aumentar em oito anos: o motivo torpe, que não permitiu a vítima reagir e a crueldade do crime.

A estudante da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), era natural do Uruguai e vivia em Foz para estudar. Ela era muito conhecida por participar de projetos culturais e de gênero. Martina também era ativista dos direitos humanos e da mulher.

Segundo a Polícia, ela foi morta por asfixia mecânica. Além disso, Jeferson teria usado um fio de energia para enforcar a estudante.

O acusado foi preso dias depois, caminhando na BR-277 em Nova Laranjeiras. Ele confessou o crime e alegou que recebeu uma orientação espiritual e que Martina seria entregue aos deuses como oferenda. No entanto, o delegado responsável pela Delegacia de Homicídios na época, Marcos Araguari de Abreu, disse que o acusado estava inventando esta situação.